Carta do leitor: Pessoas com deficiência, nada a comemorar!

Carta do leitor: Pessoas com deficiência, nada a comemorar!

Muitos me chamarão de radical ou extremista. Não sou um, nem outro. Sou apenas sensato com o que vejo e vivencio no dia a dia. 03 de Dezembro foi considerado , p e l a Organização das Nações Unidas (ONU), uma data internacional para a reflexão sobre os 10% no mundo que possuem alguma deficiência. Isso mesmo, dez por cento. Muitos dirão que não enxergam tantas deficientes no cotidiano, mas eles estão aí. É por esta miopia da condição humana que não nos permite entender as necessidades que o próximo precisa.

Apoiar, incentivar e eliminar as nossas próprias barreiras é que nos fará vivenciar o que as pessoas com alguma deficiência sofre ao sobreviver em suas vidas. Algumas pessoas não sabem nem como se dirigir a uma Pessoa com deficiência, para sociólogos é PCD. Para outros, pessoas portadoras de deficiência, para outros aleijado, maneta, perneta, caolho, vesgo e tantos nomes pejorativos que acabam surgindo mundo afora. Depois, dizemos que não somos preconceituosos. Sempre tem algo que não aceitamos no outro e, por esta razão, atacamos cotidianamente.

O Dia Internacional da Pessoa com Deficiência foi criado por meio de uma Assembleia Geral da Organização das Nações Unidas (ONU) em 1992 e, sua finalidade é promover reflexões e consciência acerca de questões que dizem respeito à deficiência, além da mobilização para a defesa dos direitos, qualidade de vida e bem-estar dos deficientes. Temos que lembrar e ter a plena consciência que toda perda ou anormalidade , função psicológica, fisiológica ou anatômica que gere incapacidade para o desempenho de uma atividade, dentro do padrão considerado normal para o ser humano.

Assim, no mundo inteiro, pelo menos dez por cento tem uma deficiência e, temos que respeitá-las, entendê-las e diminuir os pré-conceitos que acabamos fazendo em nome de uma falsa ideologia de que não somos preconceituosos. Respeitemos o próximo, pois somos o próximo de alguém! Não somos únicos no mundo e muito menos perfeitos. Temos nossas deficiências. Podem não ser físicas, algumas são mentais mesmo, principalmente quando achamos que somos superiores aos demais seres. Dia 03 de dezembro, dia de esquecer nossas deficiências e estender as mãos, os braços, os ouvidos e nossos corações ás pessoas, independente do que, ou que lado estejam. Gregório José.

POR: Radialista, Jornalista e Filósofo