Tribunal Constitucional recusa reconhecer PRA-JA Servir Angola

Tribunal Constitucional recusa reconhecer PRA-JA Servir Angola

O dia 1 de Dezembro de 2020 poderá marcar negativamente o político angolano Abel Chivukuvuku, altura em que o Tribunal Constitucional(TC) decidiu, definitivamente, não legalizar o seu projecto político PRA-JA Servir Angola, por incongruência da documentação apresentada

Acórdão n.º654/2020, processo n.º 837-C/, datado de 1 de Dezembro, mas publicado no dia 4, no seu site, determina que esta última decisão é irrecorrível, deixando assim sem alternativas aos mentores do projecto, sobretudo a Abel Chivukuvuku que ainda mantinha a “chama acesa” de legalizar o seu projecto político. Os argumentos levantados pelo Plenário do Tribunal Constitucional, desta vez, foram mais “duros” e difíceis de se contornar, pelo que o sonho de ver os símbolos da bandeira com as cores azul e branca esfumou- se, apesar da esperança que se mantinha de ver o PRA-JA Servir Angola como a futura força política que traria uma esperança para os angolanos, como sempre dizia Abel Chivukuvuku.

 

Leia mais na edição em PDF do Jornal OPais Diário.

Faça já a sua subscrição!

Envie um e-mail para info@opais.co.ao e tenha acesso à todas as notícias na íntegra.