GPL repudia marcha por desrespeitar Agostinho Neto

GPL repudia marcha por desrespeitar Agostinho Neto

Numa nota de repúdio tornada pública ontem, a governadora Joana Lina disse que a estátua do primeiro Presidente da República, António Agostinho Neto, foi gravemente desrespeitada. “É sem sombra de dúvidas o Símbolo da Libertação e Unidade Nacional, o fundador da Angola independente e o primeiro Presidente da República que deve merecer de todos os angolanos de Cabinda ao Cunene, o máximo respeito”, lê-se.

Por outro lado, a governadora afirma que durante este acto, praticado por “um grupo de jovens, incluindo crianças que foram transportadas em autocarros alugados”, não se respeitou o distanciamento social exigido e a Lei sobre as Reuniões e Manifestações. No seu ponto de vista, as imagens registadas em nada abonaram o clima de sã convivência social e que não dignificam os esforços do Executivo de desenvolver acções inclusivas, em que os jovens são chamados a participar.

“Cenários desta natureza não são dignos de uma capital cujo país tem, por via dos seus principais dirigentes, procurado ouvir as mais variadas franjas da sociedade onde se incluem jovens”, afirma. Para sustentar esta sua tese, Joana Lina recorre ao encontro que o Presidente da República, João Lourenço, teve recentemente com os jovens onde, em seu entender, estes puderam apresentar livremente as mais variadas inquietações e receberam os esclarecimentos que se impunham.

A governante garante que com efeito, outros sectores do Estado têm procurado ouvir os mesmos jovens com que o Executivo e os órgãos do poder local contam para a resolução dos problemas mais candentes que o país atravessa. “Diante do lamentável episódio registado, o Governo da Província de Luanda vem por este meio condenar veementemente o acto praticado e apelar à urbanidade e à livre expressão dos direitos fundamentais dos cidadãos”, frisou, acrescentando que “para uma convivência saudável, aconselhando os mais variados extractos sociais a procurarem as plataformas adequadas para manifestação de insatisfação resumidas no respeito aos símbolos da Nação.