Apenas um em cada 10 formados consegue emprego na Huíla, diz estudo

Apenas um em cada 10 formados consegue emprego na Huíla, diz estudo

Segundo uma nota da UMN, a que a ANGOP teve, Terça-feira, acesso, no Lubango, o estudo foi realizado em parceria com o Governo, o PNUD e a Organização Internacional do Trabalho (OIT) e fornece uma análise de cerca de 40 instituições de ensino técnicoprofissional da região, mostrando sucessos e fracassos dos jovens formados para obter emprego. O

trabalho, desenvolvido de Março de 2019 a Maio de 2020, sugere que, para aumentar o índice de empregabilidade, é urgente estabelecer-se uma ligação entre a procura e a oferta de competências profissionais no mercado, através da promoção de estágios, com vista a preencher o défice de competências necessárias para fomentar a produtividade.

Constitui também uma contribuição para o desenho de políticas que reduzam a pobreza, ressaltando o papel chave das competências profissionais na geração de emprego, rendimento e no fortalecimento da resiliência, colocando ao centro o desenvolvimento humano. Na província da Huíla, mais de 800 jovens são lançados, anualmente, no mercado de emprego.