Igreja permite quatro missas diárias no Natal, Ano Novo e Dia de Reis

Igreja permite quatro missas diárias no Natal, Ano Novo e Dia de Reis

O Vaticano permitirá a celebração de quatro missas diárias, nos dias de Natal, Ano Novo e Dia de Reis, para facilitar a participação dos fiéis e o respeito pelas regras de distanciamento devido à pandemia. Num decreto publicado, ontem quinta-feira, pela Congregação para o Culto Divino, assinado pelo cardeal Robert Sarah, é explicado que perante a situação desencadeada pela pandemia é concedido “aos padres residentes nas suas dioceses, desde que considerem necessário, em benefício dos fiéis, permitir este ano, durante o período do Natal, celebrar quatro missas diárias no dia de Natal (25 de Dezembro), no Dia de Maria Santíssima Mãe de Deus (01 de Janeiro) e no Dia de Reis (06 de Janeiro)”.

De acordo com o Código de Direito Canónico, em caso de falta de sacerdotes, o bispo “pode conceder aos sacerdotes, por justa causa, que celebrem duas vezes ao dia e também, se a necessidade pastoral o exigir, três vezes aos domingos e feriados”. Com o decreto desta Quinta-feira, as missas que um sacerdote pode oficiar nos dias mais importantes para a Igreja são estendidas de três para quatro. Actualmente, em países como a Itália os bispos permitiram que fossem antecipadas as missas do Galo, no dia 24 de Dezembro, tradicionalmente celebradas à meia-noite, para poder respeitar o recolher obrigatório devido à pandemia, que começa às 22:00.

Também o Papa Francisco se adaptou e a missa do Galo na Basílica de São Pedro será às 19:30 pelo mesmo motivo. Além disso, foi confirmado ontem pela publicação do calendário dos eventos deste mês, que a participação nas comemorações deste período de nascimento “será muito limitada, com fiéis identificados segundo os métodos utilizados nos últimos meses, no cumprimento das medidas de protecção e sujeito a alterações devido à situação”. A pandemia de covid-19 provocou pelo menos 1.636.687 mortos resultantes de mais de 73,4 milhões de casos de infecção em todo o mundo, segundo um balanço feito pela agência francesa AFP.