Carta do leitor // O regresso

Carta do leitor // O regresso

Em tempos de pandemia, poucos esperavam ver aproximar-se o Natal. Alguns partiram e outros persistem. A única ambição, dos que ainda aqui estão, é como serão os próximos dias no país e no mundo, havendo quem queira passar ao lado como se nada estivesse a acontecer. Fala-se muito nas condições inexistentes sobre a data.

Há relatos de que não há bacalhau e outros até se queixam dos ovos e de outros bens que poderiam proporcionar uma ceia condigna. Ainda bem que nem todos têm a mesma percepção. Os anos passaram, mas são poucos em que as incertezas estiveram tão patentes como o ano de 2020. Para muitos, o importante é que se esteja vivo e desfrutar dos dias que se avizinham. Não há muita margem para especulações.

O que posso dizer apenas é que deveríamos ter a consciência de que o dom da vida é algo que temos de agradecer. E não terá existido um ano em que o bacalhau terá menos sabor do que este. Os que sobreviveram são heróis. Mário Lopes Luanda