o editorial: Crime ambiental

o editorial: Crime ambiental

Já se vão tornando recorrentes os incidentes ambientais provocados por empresas ligadas ao sector petrolífero e também de outros ramos. As províncias de Cabinda e do Zaire, dois importantes centros de produção petrolífera são as mais afectadas, desconhecendo-se até que ponto as entidades serão penalizadas pela infracção. Ontem, uma vez mais, se partiu para a instauração de um inquérito para se apurar a responsabilidade do derrame de resíduos sólidos ocorrido na orla marítima do município de Cacuaco, em Luanda.

Desta vez, não se trata de uma empresa petrolífera, mas sim de outra que actua na recolha e tratamento de resíduos sólidos. Apesar da visita do ministro da Cultura, Turismo e Ambiente, Jomo Fortunato, o importante é que na ponta final estas empresas tenham noção de que atentar contra o ambiente é um crime grave e os culpados são punidos sem contemplações.