Aumento da actividade da OTAN perto das fronteiras russas pode resultar em ‘incidente sério’

Aumento da actividade da OTAN perto das fronteiras russas pode resultar em ‘incidente sério’

O vice-ministro da Defesa da Rússia, Aleksandr Fomin, acusou, nesta Segunda- feira (28), os EUA e seus aliados de usarem “retórica agressiva” e lembrou acções provocativas da OTAN perto das fronteiras russas. “Em 2020, a actividade das forças aéreas e navais da aliança aumentou significativamente, e situações que podem levar a incidentes graves estão a surgir cada vez mais […].

Essas acções foram abertamente provocativas. Os incidentes foram evitados apenas graças ao alto nível de treinamento profissional de pilotos e marinheiros russos”, afirmou Fomin em declarações ao jornal Rossiyskaya Gazeta. Fomin destacou que a OTAN realizou um exercício naval no Mar de Barents no mesmo dia das comemorações dos 75 anos da Grande Guerra pela Pátria (parte da Segunda Guerra Mundial, compreendida entre 22 de Junho de 1941 e 9 de Maio de 1945, e limitada às hostilidades entre a União Soviética e a Alemanha nazista e seus aliados).

Além disso, mais de 15 vôos de bombardeiros estratégicos B-52H e B-1B dos EUA foram registados apenas em Agosto e Setembro “nas imediações da fronteira russa”. O vice-ministro lembrou também dois incidentes recentes, nos quais destróieres britânicos e norte- americanos entraram no que a Rússia considera suas águas territoriais.

Em Novembro, após uma incursão do destróier norte-americano USS John McCain, quando a Marinha russa ameaçou expulsar o navio das suas águas perto da baía de Pedro, o Grande, os EUA classificaram as reivindicações territoriais marítimas de Moscovo como “excessivas”. “Estamos preparados para um diálogo profissional e construtivo sob a condição de cumprimento dos princípios de respeito e interesses mútuos”, concluiu Fomin.