VitoTrani: “Temos 30.288 requerentes de asilo e 19.327 refugiados”

VitoTrani: “Temos 30.288 requerentes de asilo e 19.327 refugiados”

Quantos refugiados em Angola controla o ACNUR actualmente?

O ACNUR lida com 56.000 refugiados e requerentes de asilos que precisam de assistência social e legal, e, às vezes, de ajuda humanitária. Os refugiados vivem nas zonas urbanas em Luanda e nas outras províncias de Angola, bem como no assentamento do Lôvua e nas zonas urbanas da Lunda Norte.

É possível fazer a descrição dos países de proveniência da maioria dos refugiados que se encontram em Angola?

No caso da Lunda-Norte, os refugiados são todos da República Democrática do Congo (RDC), especificamente da região de Kasai. Eles foram obrigados a fugir devido ao conflito interno ocorrido entre 2016 e 2017. No caso de Luanda, refugiados e requerentes de asilo são de diferentes países como RDC, Eritreia, Sudão, Chade, Somália, Síria, Ruanda, Libéria, Serra Leoa, Mauritânia, Guiné, Costa de Marfim e Burundi. Muitos dos refugiados em Luanda já vivem no país há muitos anos, sobretudo aqueles da RDC.

Uma das missões do ACNUR é trabalhar para garantir que todos tenham direito a procurar asilo e encontrar refúgio seguro noutro país. Tem sido frequente receberem manifestações de pedido de apoio neste sentido em Angola?

Sim. Esse pedido é muito frequente e chama-se de reinstalação num país terceiro e é uma das três soluções duráveis do ACNUR. Essa solução aplica-se quando um/a refugiado/a não tem possibilidade de voltar para o país de origem porque a sua vida pode estar ainda em perigo ou quando a/o refugiada/o não tem oportunidades de integração local no país de origem. Porém, é importante ressaltar que esta solução, além dos critérios acima mencionados, é reservada apenas a casos muito vulneráveis e complexos e é muito limitada no seu escopo. Estatisticamente, até ao ano passado a percentagem da reinstalação a nível mundial foi menos de…

 

Leia mais na edição em PDF do Jornal OPais Diário.
Faça já a sua subscrição!
Envie um e-mail para info@opais.co.ao e tenha acesso à todas as notícias na íntegra.