o editorial: Novo normal

o editorial: Novo normal

Ultimamente, quando se usa o termo ‘novo normal’, a primeira percepção que os angolanos têm está associada ao retorno a uma vida em que se vá fazer de tudo sem que a pandemia da Covid -19 impeça os passos que vão sendo dados. Evidentemente, que quem pensa desta forma não esteja de todo errado. Mas, em Angola, desde as eleições de 2017, o ‘novo normal’ deve ser entendido como uma outra forma de ser e de se estar na sociedade, principalmente para aqueles que têm responsabilidades a nível das principais estruturas do Estado.

Para o presente ano, segundo disse, no discurso de ano novo o Presidente da República, João Lourenço, ‘esperamos que venha a ser o ano da retoma económica, o ano em que finalmente poderemos vir a assistir ao levantamento das cercas sanitárias, o ano da retoma dos vôos comerciais internacionais de passageiros, o da reabertura e revitalização do turismo, o do regresso às actividades desportivas e culturais com a presença do público, o ano das conferências nacionais e internacionais presenciais, enfim, o ano do regresso a uma situação muito próxima da que consideramos como sendo normal’.

Porém, para que tal aconteça, é necessário que os angolanos se comprometam e se engajem . O ‘novo normal’ assim o exige, sob pena de aqueles que prevaricarem depois serem chamados à razão.