“Houve uma altura em que abrir banco ou casa de câmbio no país era como abrir roulote”

“Houve uma altura em que abrir banco ou casa de câmbio no país era como abrir roulote”

André Mussamo

Olhemos para o lado profissional dos vossos associados. Há denúncia de muita falta de profissionalismo. Incluindo de ética e deontologia profissionais com reclamações de saque e golpes nas contas dos clientes, só para citar estes casos. O que acha o Sindicato dos Empregados Bancários de Angola (SNEBA)? Há alguma impreparação? Bem o bancário não está dissociado da realidade do país.

Além de ser bancário pertence a um grupo, a uma família e a um meio de convívio. Falar de impreparação é falar de um conjunto de cidadãos a que fazem parte e que é o nosso dia-a-dia no país.

Leia mais na edição em PDF do Jornal OPais Diário.

Faça já a sua subscrição!

Envie um e-mail para info@opais.co.ao e tenha acesso à todas as notícias na íntegra.