Carta do leitor: Lixo em Luanda

Carta do leitor: Lixo em Luanda

Por: Lopes António
Samba

Melhores cumprimentos, caro coordenador! Escutamos, há dias, que algumas empresas de recolha de lixo irão paralisar as suas actividades por falta de verbas por parte do Governo Provincial de Luanda.

Sabe-se que algumas delas terão já apresentado esta intenção à governadora Joana Lina. Aparentemente, trata-se de uma situação cabeluda que deverá exigir das autoridades alguma ginástica para que a capital não se transforme numa lixeira a céu aberto.

Por outro lado, a saída em cena de muitas empresas, cujos proprietários são sobejamente conhecidos, deve servir de mote para que o Governo Provincial de Luanda reavalie o modelo que tem usado ao longo dos anos, até porque se tem mostrado mais prejudicial para o executivo e favorável aos próprios proprietários destas empresas.

Quem acompanha este negócio, que enriquece a cada dia que passa muitos cidadãos, sabe que os valores cobrados e os serviços prestados não estão alinhados. Pelo contrário, o executivo continuou a despender mais e mais e, do outro lado, a qualidade dos serviços foi-se degradando.

Curioso em tudo isso é que, nos últimos anos, aumentaram significativamente os valores para a limpeza da cidade de Luanda. Neste mesmo período, ao que se sabe, as dívidas para com as empresas também tiveram um certo incremento, assistindo-se ao surgimento, quase que em forma de cogumelos, de outros players sem que se regularizasse a situação das existentes.

Mais do que chorar pelo leite derramado, tem agora o governo de Luanda uma oportunidade soberana para sanear as contas e ver até que ponto os números que foram sendo apresentados são viáveis e confiáveis.