Editorial: Simplificar

Editorial: Simplificar

Assinalou-se ontem, 5 de Janeiro de 2021, o dia do serviço de identificação e registo civil, atribuído desde o primeiro Presidente da República e fundador da Nação, António Agostinho Neto, que recebeu, em 1976, o seu bilhete de identidade. Apesar de algumas melhorias vistas a olho nu, quanto à obtenção deste importante documento, ainda existe um longo percurso a ser feito.

Os programas de atribuição de bilhete de identidade absorveram centenas de milhões de dólares, mas ainda assim os problemas para o acesso persistem, muitos dos quais a partir da busca das cédulas e dos próprios assentos.

O responsável deste departamento no Ministério da Justiça, Carlos Cavuquila, anunciou, ontem, em Luanda, a possibilidade de os cidadãos puderem ter acesso aos assentos sem que seja através do suporte físico.

Segundo o jurista, com base num código, os populares poderão, junto das repartições em que se dirigirem, aceder ao documento, via online, evitando, assim, muitos dos constrangimentos que hoje ainda se observam.