Prémio António Jacinto 2020“Mulher Infinita” perde três milhões de Kwanzas por plágio

Prémio António Jacinto 2020“Mulher Infinita” perde três milhões de Kwanzas por plágio

O júri do prémio António Jacinto edição 2020 confirmou nesta Terça-feira, a anulação da distinção do angolano Lourenço Mussango, como vencedor do referido concurso, depois de alertado sobre uma denúncia nas redes sociais, pelo escritor brasileiro Paulo Cantarelli em relação ao plágio do seu conto, “Serena”, pelo autor nacional, com a obra “Mulher Infinita”, que renderia três milhões de Kwanzas, caso se sagrasse vencedora.

Deste modo, em nota tornada pública, o júri constituído pelos professores Joaquim Martinho e Domingas Monteiro, depois de ter comparado os dois contos, “Mulher Infinita” e “Serena”, concluiu ter havido “confluências morfossintáticas, estruturais e de conteúdo que configuram, na verdade, a existência real de plágio”.

Por essa razão, “em face dos factos dados como provados, o original perdeu a criatividade e violou o ponto 2 do Artigo 3º do regulamento do Prémio Literário António Jacinto que determina que as obras submetidas a concurso devem ser originais, inéditas e de criação própria”, lê-se na nota da promotora do concurso o Instituto Nacional das Indústrias Culturais (INIC).

Leia mais na edição em PDF do Jornal OPais Diário.

Faça já a sua subscrição!

Envie um e-mail para info@opais.co.ao e tenha acesso à todas as notícias na íntegra.