Conflito do 27 de Maio regista maior número de pedidos de certidões de óbitos na CIVICOP

Conflito do 27 de Maio regista maior número de pedidos de certidões de óbitos na CIVICOP

O conflito de 27 de Maio de 1977, que registou a chacina de centenas de angolanos por razões políticas, consta dos acontecimentos que tem consumido o maior número de tempo e trabalho junto da Comissão de Reconciliação em Memória das Vítimas dos Conflitos Políticos (CIVICOP), que tem a missão de atender a todos os conflitos políticos que ocorreram no país durante o período de 11 de Novembro de 1975 a 04 de Abril de 2022, deu a conhecer ontem, em Luanda, o ministro da Justiça e dos Direitos Humanos, Francisco Queiroz.

O governante, que falava durante o encontro de análise e informação sobre os processos das audiências com as vítimas, disse que o acontecimento do 27 de Maio é o que mais tem sobressaído nos trabalhos da CIVICOP, absorvendo “quase a totalidade” dos trabalhos da comissão criada o ano passado.

A título de exemplo, desde que foi criada a CIVICOP, Francisco Queiroz, que é igualmente coordenador do referido projecto, fez saber que um total de 14 solicitações de certidão de óbitos de familiares e vítimas dos conflitos políticos de 27 de Maio já foram recepcionados pela comissão durante os primeiros dias de trabalho.

Leia mais na edição em PDF do Jornal OPais Diário.

Faça já a sua subscrição!

Envie um e-mail para info@opais.co.ao e tenha acesso à todas as notícias na íntegra.