Editorial: Mangais africano

Editorial: Mangais africano

Fernanda Renné pode ser um daqueles nomes que para muitos não seja sonante. Aguerrida e sempre pronta para novos desafios, esta jovem do Lobito, Benguela, é um dos principais rostos da otchiva, a organização que se tem notabilizado pela recuperação dos mangais no país.

Depois do Lobito, cidade que ela espera dirigir um dia enquanto autarca, a recuperação dos mangais atingiu anos depois Luanda, a capital do país, onde vários interesses imobiliários ameaçavam a sobrevivência do ecossistema que sempre constituiu até um meio de sustento de muitos cidadãos.

O novo desafio é dar aos habitantes do Zaire uma nova imagem dos seus mangais. Mas, antes que isso acontecesse na sua plenitude, a experiência de Angola poderá servir para outros países em África. As explicações do Vice-Presidente da República, Bornito de Sousa, indicam para isso, tendo em conta os encontros que teve no gana. Viva Angola! Viva Otchiva!