Um talento do Kuduro com mostras a outras sonoridades e ritmos

Um talento do Kuduro com mostras a outras sonoridades e ritmos

Elizandra Maria Francisco, assume artisticamente o pseudónimo Deusa do Paniko, nome que deriva de um grupo de dança que chegou a criar, em companhia de algumas amigas de que fez parte no seu então bairro de residência (Kinaxixi), as Deusas, explorando os estilos “tradicional”, “kuduro” e “funk”.

Todavia, o talento pela música surgiu desde tenra idade, ao interpretar e imitar diversos artistas, sem deixar de parte a igreja, em que fazia parte de um coral, pois memorizava e recitava poesias, demonstrando uma afinidade e inclinação aos palcos.

À partida ninguém adivinhava que desabrocharia daquela simples menina, uma vocação plena para o canto, associada à dança que desde sempre demonstrara. Foi assim que surge um olheiro no seio da família, por sinal o seu tio, a época já empreendedor musical que a lança o desafio para ingressar à sua produtora com apenas 11 anos de idade.

Daí começa a vislumbrar-se uma oportunidade começando por isso a trabalhar com o tio, espontaneamente,tornando-se na única artista feminina de Kuduro da respectiva produtora, porém, era um estilo com o qual não se identificava, pois as suas opções recaíam inicialmente para a Kizomba e o Guetho Zouk.

Convencida finalmente pelo seu mentor a experimentar o estilo Kuduro, grava em 2011 a sua primeira música que não chega a ser lançada. Depois dessa experiência, Deusa do Paniko começou a sentir- se mais confortável no estilo, e percebeu que tinha muitos atributos naturais que a encaixavam no género.

“Sinto-me hoje confortável a fazer música. Não tenho preferências entre géneros musicais, desde que eu esteja a cantar sinto- me muito confortável”, revela a cantora acumulados anos de trabalho, experiência e maturidade musical que foi adquirindo ao longo desta sua ainda curta trajectória nas lides musicais.

Temas

Depois de ter experimentado no concurso canta com a Blue em que representou a Ary com o tema “Carta de Amor”, Deusa ganha notoriedade pública apesar de não ter conquistado os lugares cimeiros da competição musical, mas solidifica a sua confiança e sonho em seguir em frente com a sua carreira como cantora.

Daí que em 2012 com apenas 14 anos de idade, Deusa do Paniko participou na primeira música que chegou aos ouvidos do público, o kuduro intitulado “Tunda Tunda” com Dj René Bombástico. Já em 2013 lança o tema “Sujeira” com a participação do cantor Tchoboli, sendo que no ano seguinte, participa no projecto “Niggas em Angola” com Taliban e Kiki Versace também no estilo Kuduro, ao passo que em 2015 apresenta o remix do Kuduro “Arrasta o Pato”.

Stela Miguel

 

Leia mais na edição em PDF do Jornal OPais Diário.

Faça já a sua subscrição!

Envie um e-mail para info@opais.co.ao e tenha acesso à todas as notícias na íntegra.