Governo suspende vôos de três países para evitar a importação de novas estirpes de SARS-CoV-2

Governo suspende vôos de três países para evitar a importação de novas estirpes de SARS-CoV-2

A informação foi avançada ontem, em Luanda, pelo ministro de Estado e Chefe da Casa Civil do Presidente da República, Adão de Almeida, durante a actualização das medidas do novo Estado de Situação de Calamidade. Segundo o responsável, trata-se de suspensão temporária, que vai iniciar a partir da meia-noite do dia 24 do corrente mês, entre os voos que fazem ligação com Portugal, Brasil e a África do Sul, para evitar a importação das novas variantes do vírus SARS-CoV-2

 

Adão de Almeida, que falava em conferência de imprensa no Centro de Imprensa Aníbal de Melo (CIAM), sobre as medida do novo Estado de Calamidade, explicou que a dinâmica que existe de transporte aeréo destes três estados vai sofrer alterações. Os angolanos que se encontram em Portugal, Brasil e África do Sul têm até o dia 23 do corrente mês para regressarem ao país. O ministro de Estado e Chefe da Casa Civil do Presidente da República esclareceu que a suspensão é temporária, mas que ainda não está definido o período de duração.

Por outro lado, informou que os passageiros que começam a entrar amanhã no país serão submetidos à testes pós-desembarque, para se saber o seu estado serológico. No entanto, esclareceu que os casos positivos serão submetidos à internamento, enquanto os negativos devem cumprir uma quarentena domiciliar de 10 dias, sendo, posteriormente, submetidos a um novo teste para receber o título de alta. “Estamos perante medidas muito pontuais e que visam salvaguardar três objectivos principais, reduzir o pontencial de importação das novas variantes do vírus para o nosso país, reduzir as dinâmicas de controlo mais rigorosas e permitir que os cidadãos angolanos, que se encontram nestes três países, possam regressar para o território nacional”, afirmou.

Por seu lado, o ministro do Interior, Eugénio Laborinho garante que o seu ministério está a reforçar os seus mecanismos de segurança para fazer face à nova variante da Covid-19 Laborinho afirmou que o seu ministério está a reforçar os seus mecanismos de segurança para fazer face à nova variante da Covid-19, presente já em países como a África do Sul.

Explicou que nas principais fronteiras do Sul do país, nas províncias do Cunene e Cuando Cubango, estão a ser reforçadas as medidas preventivas e de segurança pública para evitar os constrangimentos da nova variante.

Por sua vez, o ministro dos Transportes, Ricardo de Abreu, que falava sobre as novas medidas de combate à Covid-19 no país, disse que o Governo está a trabalhar no plano para a recepção, da melhor forma, dos 11 mil e 100 potenciais passageiros nacionais e estrangeiros provenientes da África de Sul, Portugal e Brasil. Ricardo de Abreu explicou que o plano que estão a implementar, na prática, visa a possibilidade de as companhias aéreas realizarem os vôos que já faziam do ponto de vista regular.

“Por exemplo, a TAAG procura fazer as quatro frequências semanais que tinha e a TAP também, ao longo da próxima semana, até ao último vôo que deverá realizar-se na Sexta-feira, 23”, explicou.

Todos os passageiros passam a apresentar dois testes de Covid-19

A ministra da Saúde, Sílvia Lutukuta, reiterou que as medidas adoptadas têm como único objectivo o corte da cadeia de transmissão e a preservação da vida humana. Por essa razão, é recomendado o cumprimento obrigatório de todas as medidas de protecção individual e colectiva.

Por outro, explicou que, independentemente do país de origem, todos os passageiros passam a apresentar dois testes de Covid-19, sendo um de pré-embarque e outro de pós-embarque.

Questionada sobre a preferência do Executivo angolano em relação às várias vacinas existentes, a ministra da Saúde explicou que, desde que as vacinas sejam certificadas, não terão objecção e as que estiverem disponíveis serão aproveitadas, mas olhando sempre para eficácia e a segurança das mesmas.

Mais 188 novos casos, uma morte e 377 recuperados nas últimas 24 horas

A ministra da Saúde, Sílvia Lutukuta informou que foram confirmados, nas últimas 24 horas, 188 casos de Covid-19, um óbito e 377 recuperados.

Dos infectados constam 123 do sexo masculino e 65 do feminino, com idades compreendidas entre dois meses de vida e 87 anos, dos quais 70 da província da Lunda-Sul, 52 do Huambo, 33 de Luanda, 18 do Cuanza-Sul, seis do Zaire, quatro do Bié, dois de Benguela, um de Cabinda, Uíge, e Moxico, respectivamente.

Uma cidadã angolana, de 55 anos de idade, perdeu a vida ontem, em consequência da Covid- 19, com co-morbilidades de hipertensão arterial. Entretanto, conseguiram recuperar 377 pessoas, com idades entre um e 68 anos, das quais 255 da província de Luanda, 52 do Cuanza-Norte, 43 de Cabinda, 12 do Huambo, oito do Uíge, cinco do Cuanza-Sul e dois do Bié.

Com a alteração dos dados, o país passa a ter 18.613 casos positivos de Covid-19, com 425 óbitos, 16.008 recuperados e 2.180 casos activos. Dos activos, 13 estão em estado crítico com ventilação mecânica invasiva, oito em estado grave, 83 moderados, 94 com sintomas leves e 1.982 assintomáticos.

2320 amostras processadas nas últimas 24 horas

Nas últimas 24 horas, foram processadas 2320 amostras à base de biologia molecular por RTPCR. O total de amostras recebidas até agora pelo laboratório de biologia molecular por RTPCR é de 329.366, das quais 18.613 são positivas e 310.753 negativas, com uma taxa de positividade de 5.7 por cento.

Por outro lado, nas últimas 24 horas, três pessoas receberam alta de quarentena institucional, sendo dois na província do Bié e um de Benguela.

O Centro Integrado de Segurança Pública (CISP) recebeu, no período em referência, 40 chamadas, todas a solicitar informação sobre a Covid-19.