Novo filme de Welket Bungué cruza escravatura e futuro da Guiné

Novo filme de Welket Bungué cruza escravatura e futuro da Guiné

“O filme que trago aqui, e que será uma antestreia, chama-se ‘Cacheu Cuntum’ e é um filme ‘mobile’, captado inteiramente por dispositivos móveis e que faz a intercepção entre a fala de um guia de museu, do Memorial da Escravatura, em Cacheu, e imagens que captei ao longo da minha estadia aqui, em 2019, com o telemóvel”, explicou, em entrevista à agência Lusa, Welket Bungué.

“Este filme traz para a tela, procura ‘friccionar’, aquilo que é a memória do passado da escravatura em contraste com aquilo que pode ser a Guiné de amanhã, tendo em conta as imagens que nós vemos, como as pessoas interagem umas com as outras, como é que esta luz significa vitalidade e, ao mesmo tempo, como eu, enquanto recém-chegado à cidade, (a) percepciono”, sublinhou