Editorial // Antigos combatentes

Editorial // Antigos combatentes

Cerca de 19 anos depois do alcance da paz definitiva, o papel e o reconhecimento daqueles que se envolveram desde a primeira hora na luta de libertação, engrossando os três principais movimentos, estão distantes dos resultados definitivos que se preconizavam. Até hoje, antigos integrantes das FAPLA, FALA e ELNA clamam por mais dignidade e um tratamento diferenciado, se comparado com o que têm já alguns dos partícipes do processo. Tal como outros países do mundo, a questão da inserção e reinserção dos antigos combatentes não é fácil.

Longe de ser um assunto meramente político, há uma vertente económico-financeira que, no fundo, dita a implementação dos projectos e a satisfação dos beneficiários.

No dia de ontem, o MPLA, partido no poder, tomou posição sobre o assunto: “não obstante as repercussões negativas resultantes da pandemia da Covid-19 e da crise económica e financeira que afectam a materialização da Política Nacional do Antigo Combatente e Veterano da Pátria, o MPLA advoga a prioridade de apoios e medidas visando atenuar as dificuldades na vida desses honrados combatentes”. Espera-se por melhores dias para todos.