Huíla está na vanguarda da execução do PIIM, diz Sílvia Lutukuta

Huíla está na vanguarda da execução do PIIM, diz Sílvia Lutukuta

O Programa Integrado de Intervenção nos Municípios (PIIM) tem para o sector da Saúde na província da Huíla 32 projectos, consubstanciados na construção, reabilitação e ampliação de 27 unidades sanitárias em toda a província

Para a ministra da Saúde, Sílvia Lutukuta, que trabalhou ontem na província da Huíla, estas acções colocam esta parcela do território nacional na vanguarda da execução dos projectos concebidos no âmbito do PIIM, que, para a Huíla, está orçado em 41 mil milhões de Kwanzas.

Para a governante, apesar de o ano de 2020 ter sido difícil, várias obras na Huíla foram executadas, o que tem contribuído para a melhoria da assistência médica às populações.

Ainda assim, a governante diz ser necessário fazer-se mais para que a cobertura dos serviços de saúde nesta parcela do país tenha um alcance mais abrangente e efectivo.

“Tivemos um ano 2020 desafiante através da Covid-19, mesmo assim tivemos ganhos importantes no que toca à melhoria das competências, principalmente da assistência intensiva dos nossos pacientes, para além do diagnóstico”, disse.

Assistência de proximidade Para se melhorar a assistência de proximidade, segundo a ministra, precisa-se de três factores importantes, nomeadamente infra-estruturas para o nível de assistência primária, profissionais em quantidade e qualidade e medicamentos suficientes para garantir assistência quando necessário.

Com estas condições à disposição, acrescentou, a Huíla estará na dianteira da assistência de proximidade, com vista a melhorar a qualidade de vida das populações. Melhoramento precisa-se.

Por outro lado, Sílvia Lutukuta informou que, apesar das acções que estão a ser desenvolvidas no sector da Saúde, ainda assim, torna-se necessário a adopção de outras políticas tendentes à melhoria do sector, sobretudo no que toca aos recursos humanos, cujo número continua a ser irrisório. “

No ano de 2019, realizámos um concurso de admissão, tivemos uma quota adicional que nos ajudou a resolver vários problemas. Nos últimos três anos já fizemos um enquadramento de mais de 25 mil profissionais da saúde, podemos notar aqui o comprometimento do executivo com este sector, ainda assim, vamos continuar a trabalhar”, garantiu.

Durante a sua visita de trabalho, deslocou-se ao Centro de Quarentena, localizado na centralidade da Quilemba, Depósito de Medicamentos, Centro de Testagem da Covid-19, Laboratório de Virologia, a Maternidade Irene Neto e ainda o Sanatório do Lubango.

No Sanatório, Sílvia Lutukuta referiu que esta unidade sanitária carece de uma atenção particular, dada à sua especificidade na província da Huíla e a complexidade da doença que ela trata.

“Vamos trabalhar um pouco mais no que toca à tuberculose, sei que há uma estratégia da província para a melhoria de condições das infra-estruturas, porque temos um número grande com tuberculose na província”.

Segundo Sílvia Lutukuta, o Sanatório requer uma assistência mais diferenciada e que precisa de um acompanhamento regular. “Vamos ter que trabalhar na educação, na prevenção dos nossos pacientes e, se a doença estiver estabelecida, conseguir fazer o diagnóstico precoce e tratar convenientemente”, garantiu.