Biden promete assinar decretos sobre pandemia, economia e outros no dia da sua posse

Biden promete assinar decretos sobre pandemia, economia e outros no dia da sua posse

O Presidente eleito dos Estados Unidos, Joe Biden, assinará ordens executivas no dia da sua posse, na próxima semana, para lidar com a pandemia, a debilitada economia americana, as mudanças climáticas e a injustiça racial, disse um assessor sénior Ron Klain

“Todas essas crises exigem acção urgente”, afirmou o seu novo chefe de gabinete, Ron Klain, em um comunicado, acrescentando que Biden assinará “cerca de uma dúzia” de decretos depois de assumir o cargo na Quarta-feira, segundo o portal Plataforma.

“Em seus primeiros dez dias de mandato, o Presidente eleito Biden tomará medidas decisivas para enfrentar essas quatro crises, prevenir outros danos urgentes e irreversíveis e restaurar o lugar da América no mundo”, acrescentou Klain. Ao ocupar a Casa Branca deixada por Donald Trump, Biden também herdará uma série de desafios.

Os Estados Unidos estão a se aproximar rapidamente de 400.000 mortes pela Covid-19, registrando mais de um milhão de novos casos por semana à medida em que o Coronavírus se espalha de maneira incontrolável.

A economia também está fraca, com 10 milhões de empregos a menos disponíveis em comparação com o início da pandemia. E os consumidores e empresas americanas estão a lutar para se manter à tona.

Biden revelou na semana finda planos para arrecadar 1,9 trilhão de dólares para impulsionar a economia por meio de novos pagamentos de estímulo e outras ajudas, e disse que planeia acelerar os esforços para distribuir a vacina contra a Covid- 19 em todo o país.

Conforme prometido anteriormente, entre os decretos que serão assinados em seu primeiro dia estão um plano para os EUA retornarem ao acordo climático de Paris e outro para reverter a proibição, estabelecida por Trump, da entrada de pessoas de certos países de maioria muçulmana no país, de acordo com a nota de Klain.

“O Presidente eleito Biden tomará medidas, não apenas para reverter os danos mais graves da administração Trump, mas também para começar a fazer o nosso país avançar”, declarou Klain.

E enquanto enfrenta todos esses desafios, Biden tenta manter o foco do Congresso em sua agenda e evitar a distração do julgamento de Trump no Senado após o seu histórico segundo impeachment, desta vez por instigar o ataque de 06 de Janeiro ao Capitólio por seus apoiantes em plena sessão de certificação da vitória eleitoral de Biden.

O democrata sugeriu que o Senado divida o seu tempo a cada dia entre o julgamento e a realização de audiências para confirmar as escolhas do seu gabinete.