Petro de Luanda escorrega na província do Uíge frente ao Santa Rita de Cássia

Petro de Luanda escorrega na província do Uíge frente ao Santa Rita de Cássia

O Petro de Luanda perdeu ontem, no Uíge, a invencibilidade no Girabola 2021, ao ser derrotado pelo Santa Rita, por 1-2, em jogo da quarta jornada do campeonato nacional de futebol da primeira divisão, disputado no Estádio 4 de Janeiro.

Os “tricolores”, que ainda assim conservam a liderança com nove pontos, adiantaram-se no placar aos quatro minutos com golo de Job, de pênalti, mas não foram capazes de fazer melhor, permitindo a reviravolta dos anfitriões.

Gui foi o carrasco dos petrolíferos, sendo que restabeleceu a igualdade aos 20 minutos e, já na etapa complementar, fez o golo da vitória (53’). O Santa Rita sobe do 11° para o 7° posto da classificação com cinco pontos, em quatro desafios.

Noutro jogo do dia, o Williete de Benguela derrotou, no Estádio de Ombaka, o Recreativo da Caála, por 1-0, com golo de Zau aos 64 minutos. Posto isso, os tricolores regressam a Luanda com muitas preocupações, uma vez que o 1º de Agosto deve regressar à competição nos próximos dias, aliás tem três jogos de atraso.

Como é evidente, os tricolores estão na berlinda pelo facto de escorregarem na cidade do Uíge, no terreno em que pretendiam vencer. Ainda assim, não é fácil aturar o rival de longa data, o 1º de Agosto, adversário que estava em quarentena devido ao jogo que fez com o Kiazer Chiefs da África do Sul nas Afrotaças.

Por esta razão, o clube do Catetão, de Luanda, tem a obrigação manter os níveis e ultrapassar o que se passou no Uíge, porque o adversário de longa data está de volta e tem, justificadamente, três jogos em atraso.

O 1º de Agosto vai fazer tudo para encostar no Petro de Luanda, porque sabe que a disputa ainda está próxima. Isso vai permitir que as duas equipas estejam prontas para os desafios que a prova impõem dentro e fora de casa.

O Petro de Luanda assume-se, à semelhança do 1º de Agosto, como candidato ao título, mas não vence o Campeonato Nacional há mais de dez anos.