Advogada cria programa de consulta jurídica para defender mulheres desprotegidas

Advogada cria programa de consulta jurídica para defender mulheres desprotegidas

Desde a sua fundação, há três meses, pela advogada angolana Onésima Torres, já atendeu cerca de 60 mulheres e está a acompanhar perto de 20 processos junto dos tribunais, vítimas de violência doméstica e conflitos laborais

Dados estatísticos apontam que mais da metade das mulheres que se encontram a cumprir penas de prisão por crimes passionais eram vítimas de abusos físicos, psicológicos, morais, sexuais ou patrimoniais, perpetrado pelos seus parceiros ou outro membro da família, contra si ou contra os seus filhos.

Em entrevista exclusiva a OPAÍS, a advogada explicou que, para as mulheres, as consultas e o acompanhamento junto das autoridades competentes são “totalmente gratuitas” e o seu principal objectivo é fazer com que a insuficiência de meios financeiros, por parte das mulheres, não seja um factor impeditivo ou desmotivador para que elas procurem e encontrem justiça.

“O programa existe há três meses. Foi uma ideia pessoal que surgiu das várias trocas de experiências que tenho tido com outras colegas advogadas que, quase diariamente, recebem casos de queixas de mulheres contra o crime de violência doméstica e despedimentos abusivos”, salientou.