Mais de 100 profissionais de saúde recebem formação para tratamento de crianças com autismo

Mais de 100 profissionais de saúde recebem formação para tratamento de crianças com autismo

O projecto Capacitar para Cuidar, o Banco Económico e o Kuzola mona lançaram o “Programa de Capacitação ABA Angola”, um curso virtual que consiste em formar mais de uma centena de profissionais das áreas da saúde e da educação em matérias de tratamento de crianças com autismo

 

O curso em Análise do Comportamento Aplicada (Applied Behavior Analysis – ABA) ensinará técnicas de Behavioral Skill Training (BST), ou seja, de formação de habilidades comportamentais, segundo uma nota que chegou à redacção de OPAÍS, com o uso de vídeo-modelação dos procedimentos práticos que devem ser adoptados pelos profissionais.

A formação será feita através de uma plataforma avançada de aprendizagem e tecnologias educacionais, que permitirá que os alunos tenham acesso às suas aulas, interajam em comunidades práticas e participem nos processos de avaliação contínua através de computadores ou telemóveis, evitando, deste modo, uma exposição desnecessária ao coronavírus.

Os profissionais formados terão, depois, a missão de trabalhar com, pelo menos, oito mil e trezentas crianças das que se encontram diagnosticadas, em Angola, com transtornos a nível do neurodesenvolvimento.

O projecto Capacitar para Cuidar tem três anos e terá sido adiado pela Covid-19. Estima-se que Angola possua cerca de 576 mil pessoas com autismo, uma realidade ainda minada de muitos tabus e desinformação. Por isso, “é urgente, para além de informar, munir profissionais e familiares de ferramentas e conhecimentos que lhes permitam garantir uma melhor qualidade de vida para todos os envolvidos”, lê-se.

O Programa ABA Angola irá qualificar professores de 13 instituições angolanas, incluindo cinco escolas de Ensino Especial distribuídas por sete províncias (Luanda, Benguela, Huíla, Huambo, Cuanza-Sul, Bié e Moxico), além de instituições sociais e creches.
O objectivo é que estas instituições consigam aplicar programas terapêuticos baseados na Análise do Comportamento Aplicada, mais conhecida pela sigla em Inglês ABA, uma tendência científica que se tornou referência mundial a nível da eficácia e do tratamento do Transtorno do Espectro do Autismo (TEA).
O Transtorno do Espectro do Autismo (TEA) é um distúrbio do neurodesenvolvimento que afecta, de forma heterogénea e complexa, as áreas da linguagem, interacção social e sensibilidade motora. O pleno desenvolvimento das pessoas autistas depende da aplicação de programas de intervenção comportamental de forma precoce e intensiva.
De acordo com dados do Instituto Nacional de Estatística (INE), para uma população de 31.127.674 angolanos em 2020, estima-se que existam cerca de 576 mil autistas, dos quais 157 mil habitam na província de Luanda. Com a formação destes profissionais, prevê-se o atendimento de pelo menos 8.300 (oito mil e trezentas) crianças afectadas.