EUA restabelece proibição de voos da UE, Brasil e Reino Unido

EUA restabelece proibição de voos da UE, Brasil e Reino Unido

O Presidente dos Estados Unidos restabelece a proibição da entrada no país de pessoas procedentes da União Europeia, Reino Unido e Brasil e inclui a África do Sul, para conter a pandemia da Covid-19, informou a imprensa. A televisão CNN e a publicação Político, que citam fontes da Casa Branca, disseram que a decisão de Joe Biden inverte a medida anunciada a 18 de Janeiro pelo então Presidente Donald Trump.

As restrições deveriam ser levantadas a partir desta Terça-feira. A proibição de passageiros provenientes da União Europeia e do Reino Unido foi imposta por Donald Trump em Março e a do Brasil em Maio. A 18 de Janeiro, dois dias antes de deixar a Casa Branca, Donald Trump decidiu manter em vigor apenas as restrições de viagem a passageiros procedentes da China e do Irão. Quando a ordem de Donald Trump foi conhecida, a actual porta-voz da Casa Branca, Jen Psaki, disse na sua conta na rede social Twitter que, com o agravamento da pandemia e o surgimento de variantes mais contagiosas em todo o mundo, “este não é o melhor momento para levantar restrições a viagens internacionais”.

“A administração não pretende levantar estas restrições no dia 26 de Janeiro”, antecipou a actual porta-voz. EUA exigem teste Covid-19 negativo a todos os passageiros aéreos antes de voarem para o país Além disso, os Estados Unidos exigirão, a partir de Terça-feira, um teste Covid-19 negativo para todos os passageiros aéreos antes de voarem para o país, incluindo os norte-americanos. A medida, anunciada pelo Centro de Controlo e Prevenção de Doenças (CDC) a 12 de Janeiro, também estabelece a recomendação de submissão a um novo teste três a cinco dias após a chegada ao país e permanecer em quarentena domicialiar durante sete dias após a viagem.

O epidemiologista-chefe dos Estados Unidos, Anthony Fauci, disse que, após os dados divulgados pelo governo britânico, se deveria presumir que a variante britânica pode “causar mais danos, incluindo a morte”, tendo observado que a vacina continua a ser eficaz mesmo contra a variante sul-africana. A pandemia da Covid-19 provocou, pelo menos, 2. 121. 070 mortos resultantes de mais de 98,6 milhões de casos de infecção em todo o mundo, segundo um balanço feito pela agência francesa AFP.

Os Estados Unidos são o país com mais mortos e também com mais casos de infecção confirmados. Os últimos dados indicavam 3519 mortes e 176 581 infectados de Sábado para Domingo, com o país a contabilizar 24 982 615 casos e 417 337 óbitos por Covid- 19 desde o início da pandemia-