Distribuidoras de derivados do petróleo anunciam acções para 2021

Distribuidoras de derivados do petróleo anunciam acções para 2021

A Sonangol prevê um desembolso de milhões de dólares, para dentre várias acções, prosseguir com a instalação da Nova Unidade de Platforming para o aumento da produção de gasolina e os projectos de construção das Refinarias de Cabinda e Lobito.

Planeia ainda aprovar e implementar a estratégia de Petroquímica, concluir a requalificação das instalações de gás de Cabinda e do Luena, esta última por via da extensão do Ramal Ferroviário, assim como implementar o sistema de transporte de LPG (sigla em inglês de Gás de Petróleo Liquefeito) via ferroviária nos eixos Norte, Centro e Sul no terceiro trimestre deste ano.

O início da implementação dos Projectos de Energias Renováveis do Namibe (em parceria com a ENI-Solenova) e Quilemba (em parceria com a Total) e a construção de pelo menos um navio Suezmax, são outras acções de vulto no plano 2021 da Sonangol. A companhia prevê também um “Plano de Expansão para o mercado regional onde se perspectiva um elevado crescimento da procura de refinados” com especial atenção para a República Democrática do Congo.

A nível nacional as suas atenções estão também viradas para a construção de “pelo menos 80 postos de abastecimento” onde se inclui ao menos um na Centralidade do Sequele. Em termos de conclusão, salta à vista, a operacionalização da instalação do armazenagem de Saurimo (Capacidade: 900m³) no segundo trimestre deste ano e o revamping da Fábrica de Lubrificantes para o aumento da produção.

A melhoria das infra-estruturas técnico-operacionais da aeroinstalação (incluindo o sistema de combate à incêndio) e a reabilitação e operacionalização do óleoduto de Jet A1 da IBV-5 am do Aeroporto Internacional 4 de Fevereiro, são outras acções previstas para este ano.

A reabilitação do Pontão e instalação de sete boias do Terminal Oceânico do Lobito, armazenamento a instalação da Matala e a construção do ponto de enchimento de vagões cisternas no Bungo, também constam o plano.

Para o ano de 2021, no segmento de downstream, a Sonangol prevê desembolsos na ordem de USD milhões 1.180, com maior realce para a implementação do Projecto do Terminal Oceânico da Barra do Dande.

Pumangol aposta na renovação de imagem

A operadora, alega que “devido às condições macro-económicas não esta previsto a construção de novos postos”, apostando exclusivamente ao longo do ano no reforço da qualidade dos seus serviços, com a renovação da “ imagem, aposta na manutenção da estrutura e equipamentos de forma a garantir um serviço de qualidade e seguro”.

Portanto, para 2021 a operadora prevê a “implementação do projecto Revamp & Site Refresh em 25 postos” onde se inclui as suas estruturas nas províncias de Luanda, Huambo, Malange, Cunene; Uíge, Cabinda, Zaire, Benguela, Cuanzas Norte e Sul, Namibe, Bié, Cuando Cubango e Lunda Norte.

Total (TOMSA) e Sonangalp “cautelosos”

A Total, depois de se ter mostrado ao grande público angolano em 2020, joga a sua principal cartada nesta entrada no segmento da distribuição de derivados do petróleo, na conclusão de obras ainda no presente trimestre, sendo o Posto de Abastecimento (PA) do 11 de Novembro uma das prioridades.

A companhia, que ganhou a designação no mercado angolano de TOMSA (Total Marketing & Services Angola) ainda tem por receber de forma adicional nos primeiros três meses deste ano cinco Postos de Abastecimento fruto do convénio com a Sonangol.

Concomitantemente anuncia que vai apostar na “finalização do rebranding dos PA, e a entrada em novas províncias”. Por outro lado, a Sonangalp refere que “de uma análise muito selectiva” vai apostar ao nível do desenvolvimento da rede de postos. “Promoção de melhorias na rede actual com vista a garantir standards elevados de qualidade, ambiente e segurança, fomentar o desenvolvimento dos quadros com a elaboração de um roadmap de acções estratégico, podendo envolver parceiros locais” é a sua maior ambição para o ano que começou.

A Sonangalp anuncia ainda aposta na “avaliação de iniciativas de responsabilidade social na sociedade angolana que estejam alinhadas com os valores” da companhia.

O anúncio das principais acções previstas pelos operadores do sector comercial de derivados de petróleo foi feito à margem da reunião de balanço das actividades realizadas em 2020, pelas empresas do sector promovida em Luanda pelo Instituto Regulador dos Derivados do Petróleo (IRDP), que decorreu de 26 a 27 de Janeiro na Mediateca de Luanda.

Durante o dia de ontem outros pequenos operadores (incluindo os de bandeira branca) e distribuidores de outros derivados apresentaram os seus balanços e perspectivas.