Mais de dois mil jovens começam estágios remunerados financiados pelo Estado

Mais de dois mil jovens começam estágios remunerados financiados pelo Estado

O financiamento do Governo é de cerca de 1.5 mil milhões de Kwanzas. A União Europeia garantiu 600 mil euros e o Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD), através da embaixada da Turquia em Angola, 300 mil dólares

 

Mais de dois mil jovens angolanos começam a beneficiar, nos próximos dias, de estágios profissionais remunerados, inseridos na primeira fase do programa apresentado, ontem, pelo Executivo, que vai financiar o projecto.

O programa visa solucionar as diversas dificuldades para o acesso ao mercado de emprego, para o qual prevê-se a criação de 500 mil postos, dos quais 83 mil e 500 a serem criados no âmbito do Plano de Acção para a Promoção da Empregabilidade (PAPE), até o próximo ano.

De acordo com o secretário de Estado para o Trabalho e Segurança Social, além dos estágios directamente garantidos pelo PAPE, as parcerias firmadas pelo Estado “vão permitir a inversão do quadro, não muito animador, do mercado de emprego em Angola”.

Nesta ordem, disse Pedro José Filipe, o financiamento do Governo é de cerca de 1.5 mil milhões de Kwanzas. A União Europeia garantiu 600 mil euros e o Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD), através da embaixada da Turquia em Angola, 300 mil dólares.

No mesmo dia, oito instituições rubricaram acordos para a facilitação de estágios profissionais, estando as mesmas isentas dos encargos financeiros, já cabimentados pelo Executivo. Em entrevista à Rádio Nacional, a representante da Nestlé, Paula Sebastião, classificou como brilhante a iniciativa do Executivo, ao passo que o reitor da Universidade Agostinho Neto, Pedro Magalhães, destacou a possibilidade de esta nova modalidade incentivar o empreendedorismo.

“Achamos que esta é uma oportunidade de não apenas aproximar os nossos estudantes ao futuro mercado de trabalho, mas uma forma de incentivar o empreendedorismo entre eles”.

Entre os destinatários para este programa estão jovens entre os 18 e 25 anos, desde que tenham formação técnico-profissional oficialmente reconhecida, curso do ensino secundário geral complementado com um curso de formação profissional de nível 2, 3 ou 4, bacharéis ou licenciados em diferentes áreas.

O Executivo pretende, com isso, consolidar a formação académica e profissional dos cidadãos, complementar e desenvolver as suas competências, com vista a adequar o seu perfil profissional, para melhor inserção na vida activa.

Contudo, segundo informou, recentemente, o director-geral do Instituto Nacional do Emprego e Formação Profissional (INEFOP), Manuel Mbangui, mais de mil e 900 jovens estão já a beneficiar das possibilidades de emprego oferecidas pelo PAPE, um programa lançado em Outubro de 2019, pelo Executivo angolano.