A resposta chinesa para a pergunta da época

A resposta chinesa para a pergunta da época

Por: Gong Ttao *

 

O mundo está passando por grandes mudanças sem precedentes num século. A Covid-19 ainda está a espalhar-se globalmente, a economia mundial entrou em recessão profunda, e os desafios globais estão a surgir um após outro. A humanidade está mais uma vez na encruzilhada para onde ir. Nesse contexto, em 25 de Janeiro, o primeiro evento multilateral em que o Presidente chinês Xi Jinping participou, no ano 2021, foi o Diálogo da “Agenda de Davos” do Fórum Econômico Mundial por meio de vídeo, durante o qual fez um discurso especial. Todo o mundo, mais uma vez, ouviu a resposta chinesa à questão dos tempos.

1. O multilateralismo é a saída para resolver os problemas da época O multilateralismo incorpora os princípios de igualdade, benefício mútuo e abertura. O presidente Xi disse: os problemas que o mundo enfrenta são intrincados e complexos, e a saída é defender o multilateralismo e construir uma comunidade com um futuro compartilhado para a humanidade. Multilateralismo significa ter assuntos internacionais tratados por meio de consultas e o futuro do mundo decidido por todos. As instituições multilaterais são plataformas para a prática do multilateralismo e a estrutura básica para salvaguardar o multilateralismo, cuja autoridade e eficácia devem ser mantidas.

Os princípios devem ser preservados e as regras, uma vez feitas, devem ser seguidas por todos. O“multilateralismo selectivo”não deve ser a nossa opção. Para salvaguardar o multilateralismo no século XXI, precisamos de persistir no moral tradicional, assumir a consciência de inovação e olhar para o futuro. Neste sentido, necessitamos de defender os valores essenciais e os princípios básicos do multilateralismo, bem como adaptar ao cenário internacional em mudança e atender as necessidades de enfrentar desafios globais, reformando e melhorando o sistema de governação global, baseado em ampla consulta e consenso alcançado.

De que tipo de multilateralismo o mundo precisa hoje? Devemos permanecer comprometidos com a abertura e a inclusão, em vez de isolamento e exclusão. Devemos permanecer comprometidos com o direito internacional e as regras internacionais, em vez de buscar a supremacia. Devemos permanecer comprometidos com a consulta e cooperação, em vez de conflito e confronto. Devemos permanecer comprometidos em acompanhar os tempos em vez de rejeitar as mudanças.

O presidente Xi propôs 5 medidas principais: participar, activamente, na cooperação internacional anti-pandemia, implementar uma estratégia de abertura mutuamente benéfica e ganha-ganha, promover o desenvolvimento sustentável e a inovação tecnológica, impulsionar a construção de novos modelos das relações internacionais. Isso demonstra a sabedoria e a responsabilidade da China, e acredita-se que promoverá, efectivamente, a reconstrução da confiança mútua global e unir forças globais e, em conjunto, avançar em direcção à comunidade com um futuro compartilhado para a humanidade. 2. Diga não à “Arrogância e Preconceito” Tanto a história quanto a realidade mostram que a arrogância e o preconceito são os maiores obstáculos às trocas e aprendizagem mútua entre as civilizações.

Não haverá civilização humana sem diversidade, e essa diversidade continuará a existir por tanto tempo quanto podemos imaginar. A diferença em si não é motivo para alarme. O que soa o alarme é a arrogância, o preconceito e o ódio; é a tentativa de impor uma hierarquia à civilização humana ou de impor a própria história, cultura e sistema social aos outros. Como se livrar do preconceito ideológico? O Presidente Xi disse que devemos defender os valores comuns da humanidade, ou seja, paz, desenvolvimento, equidade, justiça, democracia e liberdade, superar o preconceito ideológico, tornar os mecanismos, princípios e políticas da nossa cooperação tão abertos e inclusivos quanto possível e salvaguardar a paz mundial e estabilidade. Direitos iguais ao desenvolvimento devem ser garantidos a todos os países para promover o desenvolvimento comum e a prosperidade. Devemos defender a competição justa, como competir pela excelência num campo de corrida, não derrotar uns aos outros na arena de luta livre.

O mundo é suficientemente grande para permitir que todos os países se desenvolvam e prosperem juntos. Os países em desenvolvimento aspiram por mais recursos e espaço para o desenvolvimento e clamam por uma representação e voz mais fortes na governança económica global. A comunidade internacional deve manter os seus olhos no longo prazo, honrar o seu compromisso, e fornecer o apoio necessário aos países em desenvolvimento e salvaguardar os legítimos interesses de desenvolvimento. Direitos iguais, oportunidades iguais e regras iguais devem ser fortalecidos, para que todos os países se beneficiem das oportunidades e frutos do desenvolvimento.

A China continuará a promover a liberalização e a facilitação do comércio e do investimento, promoverá a cooperação de alta qualidade no âmbito do projeto “Cinturão e Rota”. Promoveremos um ambiente de negócios baseado nos princípios do mercado, regidos por lei e de acordo com os padrões internacionais, e esperamos que esses esforços tragam mais oportunidades de cooperação a outros países e dêm mais ímpeto à recuperação e ao crescimento económico global. 3. A humanidade vencerá a pandemia A pandemia está longe de terminar. O recente ressurgimento dos casos COVID nos lembra que devemos continuar a luta. Mais solidariedade e cooperação, mais compartilhamento de informações e uma resposta global mais forte são o que precisamos para derrotar a COVID-19 em todo o mundo.

É especialmente importante aumentar a cooperação em Pesquisa e Desenvolvimento, produção e distribuição de vacinas e torná-las bens públicos que sejam, verdadeiramente, acessíveis e economicamente viáveis para as pessoas em todos os países. Na era da globalização económica, as emergências de saúde pública como a COVID-19 podem muito bem ocorrer em outras ocasiões, e a governança global da saúde pública precisa ser aprimorada. A Terra é a nossa única casa. Aumentar os esforços para lidar com as mudanças climáticas e promover o desenvolvimento sustentável afecta o futuro da humanidade. Nenhum problema global pode ser resolvido por um único país. Deve haver acção global, resposta global e cooperação global. Precisamos realçar o papel da Organização Mundial da Saúde na construção de uma comunidade global de saúde para todos.

Não há dúvida de que a humanidade vencerá o vírus e sairá ainda mais forte deste desastre. Como parceiros estratégicos, a China e Angola são ambos defensores do multilateralismo. Ao longo dos anos, os dois países não só alcançaram resultados notáveis na cooperação prática, como também mantiveram excelente cooperação em instituições internacionais e assuntos multilaterais. Após a pandemia surgir, o governo chinês apoiou activamente as medidas anti-epidémicas do governo angolano, providenciou assistência e materiais de biossegurança, enviou equipas de médicos especialistas. As empresas chinesas e a comunidade chinesas em Angola fizeram muitas doações. Os interesses comuns dos dois países continuou a aumentar. Na próxima etapa, China-Angola desenvolverão ainda uma cooperação nas áreas da vacina, retoma do trabalho e produção, e construir mais plataformas para as empresas chinesas investirem em Angola e exportar mercadorias angolanas para a China. Definitivamente, vamos construir, conjuntamente, uma comunidade China-Angola de futuro compartilhado mais forte.

 

* Embaixador chinês