Angola melhora posição na classificação da transparência internacional

Angola melhora posição na classificação da transparência internacional

A república de Angola melhorou 25 lugares no Índice da Transparência Internacional e ocupa a 142.ª posição da tabela geral divulgada esta Quinta-feira, por uma Organização Não Governamental (ONG) sedeada em Berlim (Alemanha)

 

De acordo com a tabela da ONG Transparência Internacional, na qual se avalia a percepção da corrupção no sector público de 180 países, numa pontuação de zero (considerado como corrupto) a 100 (encarado como transparente), Angola faz parte de alguns países lusófonos e da África sub-sahariana que melhorou o seu desempenho. Angola melhora, assim, pelo terceiro ano consecutivo a sua avaliação em matéria de percepção da corrupção, depois de, em 2018, ter subido dois lugares, passando do 167.º para o 165.º com uma pontuação de 19, em 2019. No “ranking” de 2020, cinco países lusófonos melhoraram a sua classificação, designadamente Angola, Brasil, Timor Leste, GuinéBissau, São Tomé e Príncipe e Cabo Verde, enquanto Portugal, Moçambique e Guiné Equatorial são os três piores lusófonos.

Posição de outros países

A nível global, continuam na dianteira desta classificação a Dinamarca, Nova Zelândia, Finlândia, Singapura, Suécia e Suíça. Já entre os últimos lugares estão identificados países como a Síria, a Somália e o Sudão do Sul, entre outros.
Corrupção e Covid-19 Este ano, a Transparência Internacional (TI) identificou como critérios de avaliação a forma como os países lidaram com a pandemia de Covid-19, o investimento em cuidados de saúde e o impacto desta crise sobre as instituições democráticas. “A Covid-19 não é apenas uma crise da saúde e da economia. É uma crise da corrupção que não estamos, actualmente, a conseguir gerir”, considerou a TI, segundo a qual o ano 2020 colocou à prova os governos como nenhum outro e aqueles com níveis mais elevados de corrupção têm sido menos capazes de enfrentar o desafio”.

A TI classifica 180 países e territórios pelo seu nível de percepção da corrupção no sector público, de acordo com especialistas e empresários. A classificação segue uma escala de zero a 100, onde zero é altamente corrompido e 100 é muito transparente. A Transparência Internacional é uma Organização Não-governamental que luta por “um mundo no qual governos, empresas, a sociedade civil e a vida das pessoas sejam livres de corrupção”.

A TI foi fundada em Março de 1993. Possui mais de 100 secções em todo o mundo e um secretariado internacional, em Berlim. Entretanto, o analista político Sérgio Calundungu, em declarações À TPA sobre o assunto, disse que Angola está a evoluir positivamente, mas ainda está em baixo, e cada ano que passa vai melhorando o seu ranking. Acrescentou que Angola, com esta classificação, poderá atingir outros países como Botswana e Cabo Verde a nível do continente que estão numa posição mais privilegiada que Angola.