TAAG desmente falta de transparência em contratação

TAAG desmente falta de transparência em contratação

A TAAG – linhas aéreas de Angola – desmente a alegada falta de transparência no processo de contratação do actual delegado da África Austral, Gregory Epps, sublinhando que se trata de um quadro sénior vinculado legalmente à companhia já há quatro anos

 

De acordo com um comunicado de imprensa da transportadora, tornado público ontem, são falsas as informações sobre suposta “contratação fraudulenta” do referido funcionário britânico, veiculadas nalguma imprensa e redes sociais.

“O delegado Gregory Epps (trabalhou antes na Emirates) tem uma vasta experiência no sector aeronáutico, em gestão de negócios e, durante anos, ocupou cargos seniores noutras companhias aéreas de referência”, destaca a nota, datada de 27 de Janeiro.

Por esse motivo e atendendo às suas valências, resultados demonstrados e gestão exemplar, além de não ser o único estrangeiro na empresa, a Administração da TAAG decidiu renovar o contrato, tendo em vista ainda que esse profissional tornou as rotas para a África do Sul mais lucrativas.

“O processo de contratação dos delegados, dos chefes de escala, bem como dos técnicos de base no exterior é transparente, pois são escolhidos entre os cidadãos nacionais e estrangeiros com comprovada competência e de alto nível para o exercício das missões ”, lê-se no documento.

Neste sentido, a TAAG clarifica que a procuração em posse de certos órgãos de comunicação social e a circular nas redes sociais, nos últimos dias, é um documento padrão de carácter confidencial e exigido internacionalmente, emitido a favor de todos os delegados no exterior, para representarem a sua companhia nos países para onde foram nomeados.

De acordo com essa operadora aeronáutica, pela sensibilidade do documento que sujeita a TAAG a possíveis fraudes, foi aberto um processo de averiguações para se apurar responsabilidades sobre a sua divulgação. “A TAAG é uma empresa inclusiva e rejeita quaisquer estigmas de carácter racial, de nacionalidade, de credo ou social e garante que os processos administrativos sejam realizados seguindo as normas legais aplicáveis”, remata a nota.