Cocaína proveniente do Brasil tinha como mandante uma mulher

Cocaína proveniente do Brasil tinha como mandante uma mulher

A cidadã angolana de 40 anos, conhecida por Bibicha, é acusada de ser a mandante e destinatária de parte da droga do tipo cocaína apreendida no Aeroporto Internacional de Luanda, em conluio com os funcionários da Ghassist. Bibicha, e seu esposo, foram detidos e apresentados ontem, pelo SIC

Segundo o porta-voz do SIC-Geral, Manuel Halaiwa, Bibicha foi detida no dia 02 de Fevereiro, no município do Cazenga, bairro Tala Hady, através da Direcção Central de Combate ao Narcotráfico e o Departamento de Investigação Criminal do Aeroporto Internacional de Luanda.

A cidadã, de 40 anos, é tida como mandante e destinatária de parte da droga (cocaína) que era retirada do interior das aeronaves provenientes da República Federativa do Brasil, em conluio com funcionários da empresa Ghassist, já detidos.

Normalmente tinha um passador a quem dava instrução para, 50 minutos antes de a aeronave aterrar na capital angolana, guardar a droga na casa de banho.

“Em flagrante delito foi possível detectar, no interior da aeronave, alguma droga que estava prestes a ser transportada para o exterior, 6,84 quilogramas da droga do tipo cocaína. A droga vinha em cintas, que a bordo do avião era introduzida nas casas de banho e nos seus compartimentos móveis”, conta.

Com o avião já em terra, o principal mentor, que manda retirar a droga do avião até o seu comparsa, que fica no exterior do Aeroporto Internacional de Luanda, é um dos funcionários de limpeza, que orientado pelo chefe de turno dos motoristas, assegura a saída no lixo do avião e transporta para fora do aeroporto.

De igual modo foi detido o seu comparsa e esposo, de 42 anos de idade, de nacionalidade nigeriana, que utiliza indevidamente um nome angolano para sua identificação como “Gabriel”, tendo sido encontrado na posse de 74 gramas de cannabis sativa, vulgo liamba.

A detenção do casal ocorre na sequência das investigações, em curso, no âmbito do processo-crime n.° 3453/020-07, que culminou com a detenção de oito funcionários da empresa Ghassist e um indivíduo que por meio de um esquema devidamente delineado facilitava a saída da droga do interior das aeronaves provenientes de Guarulhos, Estado de São Paulo/ Brasil, para o exterior do Aeroporto Internacional de Luanda.

Dos funcionários da Ghassist, que operam no Aeroporto Internacional de Luanda, cinco são motoristas de autocarro, de placa e de rampa, três operadores de limpeza de interior de aeronave e um vendedor de drogas, com idades entre os 25 e 45 anos.

Manuel Halaiwa disse que durante as investigações determinou- se que o referido casal tem sido citado de forma recorrente, como aliciadores e receptores da droga retirada do interior das aeronaves, assim como constatou-se que “Bibicha é tida nas lides do tráfico de droga como sendo a mulher que, presumivelmente, mais droga introduziu no território angolano e namibiano”, reforça.

A mandante em questão possui um ficheiro de antecedentes criminais carregados, com destaque na sua implicação em dois processos-crimes, registados em 2014 e 2015, cujos trâmites correm no Departamento de Investigação Criminal do Aeroporto Internacional de Luanda, por tráfico internacional de droga, que culminou, na altura, com a detenção das mulas e apreensão de grandes quantidades de droga.