PR enaltece contributo de empresários de Benguela na construção de hospital na Baía Farta

PR enaltece contributo de empresários de Benguela na construção de hospital na Baía Farta

O Presidente da República, João Lourenço, enalteceu, Sábado, 20, na Baía-Farta, em Benguela, o contributo dos homens de negócios ligados à Aliança Empresarial(AE) na construção do hospital daquele município piscatório, cujo apetrechamento está a cargo do Governo

João Lourenço garante que o Governo vai continuar a apoiar os empresários comprometidos com a causa do país e, por isso, destaca o lado solidário que caracteriza a população de Benguela.

Para sustentar a sua tese, o Chefe de Estado ilustrou que, na década de 80, quando foi nomeado comissário da província que o viu nascer, tomou conhecimento de que o Aeroporto 17 de Setembro, localizado no município sede, tinha sido construído com a contribuição dos cidadãos.

“Cada um levou pelo menos uma pedra no ombro e, como isso, construiu-se aquele aeroporto”, disse, depois de uma visitada guiada, acompanhada da ministra da saúde, Sílvia Lutukuta, e de outros membros do seu Governo.

João Lourenço quer continuar a ter os empresários como parceiros e, numa linguagem figurativa, asseverou que a classe empresarial, organizada em Aliança, lavou “as mãos do Estado” neste projecto hospitalar e este, por sua vez, deverá proceder do mesmo modo para com os empresários.

“A sociedade civil, por vocês representada, portanto, homens de negócios, pretenderam oferecer à comunidade este hospital, pelo menos no que diz respeito à infraestrutura física. O Estado só tem a responsabilidade de equipar as instalações, o que está sendo feito”, assegurou.

O Chefe de Estado, que cumpriu uma agenda de trabalho de algumas horas em Benguela, avisa que não se trata propriamente de uma parceria público-privada, na medida em que não há fins lucrativos, sendo que o objectivo é, sobretudo, social, na perspectiva de atender à população na área da saúde.

“É uma boa demonstração do bom relacionamento entre o Executivo e a classe empresarial. Este é um exemplo a que assistimos aqui, em Benguela, mas acreditamos que noutras paragens do país poderá vir a acontecer no futuro. Vocês foram os pioneiros”.

Continuando, o Presidente da República ressaltou que daqui a algum tempo, quando alguém for a Benguela substituir Rui Falcão, o actual governador de Benguela, vai receber a mesma informação, não com relação ao aeroporto, mas com relação a este hospital.

“Ele ficará a saber que, no tempo em que o governador era Rui Falcão, os cidadãos de Benguela, representados pelos empresários, ofereceram este hospital ao município da Baía-Farta”, exemplifica, tendo agradecido o gesto que qualifica de nobre.

Segundo o Chefe de Estado, a entrada em funcionamento da unidade sanitária deve acontecer dentro de um mês, cujo empreendimento sanitário custou 720 milhões de kwanzas e tem capacidade para 120 camas e vai atender, diariamente, 70 pacientes.

Conta com banco de urgência, salas de consultas externas, de raio X, de cirurgias, laboratório, maternidade, pediatria, área de internamento, entre outras.

Empresários apresentam preocupações

O presidente da Aliança Empresarial de Benguela, Adérito Areias, apresentou ao Presidente da República, em sede de audiência concedida, as preocupações dos empresários da província.

Os homens de negócios destacaram, entre outras preocupações, a aceleração do mecanismo de liquidação da dívida pública interna, de forma a aliviar a tesouraria e potencializar o consumo interno.

Em nome dos seus associados, Adérito Areias reclamou, igualmente, a materialização do financiamento do PAC, aviso 10, em particular daqueles projectos ligados às cooperativas, às mulheres e à juventude que, apesar do sucesso do programa e o particular empenho do ministro da Economia e Planeamento, se vêem comprometidos face aos obstáculos colocados pelos bancos comerciais a nível provincial, por falta de autonomia, justifica.

O Presidente da República manifestou o desejo de continuar a prestar o apoio de que os empresários necessitam.

Constantino Eduardo, em Benguela