1º de Agosto “atirado à sua sorte” esta tarde em Dar es Salam

1º de Agosto “atirado à sua sorte” esta tarde em Dar es Salam

O clube angolano que defronta o Namungo FC da Tanzânia, em jogo da segunda mão da última eliminatória de acesso à Taça da Confederação, às 17:00, parte em desvantagem, uma vez que no primeiro embate, no mesmo reduto, perdeu por 6-2, numa partida com supostos factores extra jogos ligados à Covid-19

O 1º de Agosto mede forças hoje com o Namungo FC da Tanzânia, em jogo a contar para a segunda mão da última eliminatória de acesso à Taça da Confederação, em Dar es Salam, às 17:00.

O embaixador angolano, que na primeira mão perdeu por 6-2, está atirado à sua sorte, uma vez que os dois desafios são realizados em solo tanzaniano por força dos regulamentos da CAF à luz da Covid- 19.

Na primeira mão, o clube fundado em 1977 viu-se prejudicado pela equipa da casa, porque cinco atletas testaram positivo à Covid- 19 quando faltava uma hora para o apito inicial.

Posto em campo, a estratégia da equipa técnica angolana sofreu uma alteração na ordem de 80 por cento, ditando o desaire no passado Domingo.

A arbitragem, como sempre, também fez vista grossa em alguns lances, mas, como tudo estava cozinhado em detrimento do 1º de Agosto, que perdeu por expressivos 6-2.

Ainda assim, a equipa levanta o moral e acredita que pode fazer mais e melhor, apesar dos constrangimentos por que está a passar. O desafio de resposta estava marcado para esta Quarta-feira, mas a CAF mandou para o dia de hoje.

A pressão para desgastar psicologicamente o clube angolano está em caixa alta, por isso a equipa técnica pede calma aos atletas.

Uma reviravolta sem sofrer golos, no futebol, pode acontecer, por isso a equipa técnica espera outra postura dos atletas.

Persiste a admiração em relação ao comportamento das autoridades tanzanianas, bem como dos inspectores da CAF, não sendo a primeira vez que o clube angolano sofre nas Afrotaças. Em 2018, nas meias-finais da Liga dos Clubes Campeões Africanos, o 1º de Agosto foi eliminado pelo Espérance de Tunis da Tunísia.

No reduto dos tunisinos, o clube angolano viu dois golos anulados pelo árbitro zambiano Janie Sikzwe, em lances limpos.

Ainda assim, o homem do apito não validou os golos, sem esquecer que os adeptos nas bancadas acenderam cobertores e o fumo prejudicava os atletas angolanos.

O 1º de Agosto, perante os factos, escreveu para a CAF, mas não foi atendido, facto que demonstra um peso e duas medidas no futebol africano.