Editorial: Um exemplo a seguir

Editorial: Um exemplo a seguir

Quando foi lançado há alguns anos, com a primeira-dama, Ana Dias Lourenço, à cabeça, e um naipe de entidades anónimas e algumas figuras públicas, não havia dúvidas do lado positivo do programa ‘Nascer Livre para Brilhar’.

A iniciativa, com o objectivo de trazer ao mundo crianças saudáveis, teve uma grande aderência, por se tratar de um projecto que veio dar um novo cunho à luta que há algum tempo tem sido desenvolvido, unicamente com o chamariz do corte de transmissão vertical.

Com uma taxa de seroprevalência acima dos dois por cento, Angola é um dos países em que também vivem muitas pessoas vítimas da doença, sobretudo mulheres.

Apesar dos apelos feitos por organizações não-governamentais e a luta intensificada pela embaixadora Carolina Pinto, muitas mulheres afastavam- se dos centros de saúde e ainda geravam crianças com a mesma doença.

‘Nascer Livre para Brilhar’ trouxe novas esperanças que hoje se começam a concretizar em alguns lares. Cerca de mil crianças recém-nascidas estão livres da doença, o que vai incentivar outras mulheres a aderirem à iniciativa.