Carta do leitor: Denunciar os casos de homicídio

Carta do leitor: Denunciar os casos de homicídio

Bom dia, caro coordenador do jornal O PAÍS! É com muita satisfação que volto a escrever para o vosso diário. Então, vamos lá!

A Polícia Nacional diz que os cidadãos devem denunciar quem pratica a criminalidade. Diz que devemos ter esta coragem. Não podemos ter medo, porque nada irá acontecer connosco. Muito bem. Todos têm aquela coragem. Agora, alguém se dirige até a uma esquadra policial para reportar um caso de homicídio ou roubo. Pede anonimato. Não quer ser identificado.

A polícia garante que nada vai acontecer. Mas depois a pessoa que reportou o assunto é exposto. E, quando isso acontece, o que vem depois é demasiado grave. Não sabemos o que poderá acontecer. Ficamos com muito medo. Outros quando fazem denúncias preferem esconder-se.

Outros nem sequer fazem. Já houve casos de pessoas que fizeram denúncias e acabaram por ser assassinadas. No meu bairro, por exemplo, no distrito urbano do Sambizanga, já aconteceu em três ocasiões. É por isso que prefiro manter-me calado quando alguém rouba ou mata. Não quero morrer cedo. Até já!

Por: Dinho Santos
Luanda, Samba