Editorial: Revisão pontual

Editorial: Revisão pontual

A revisão da Constituição saiu do quase anonimato em que os políticos o submetiam e transformou-se desde ontem no principal assunto que deverá agitar o debate político.

Ao trazer o tema a público, o Presidente da República, João Lourenço, relança a discussão em torno de temas que até então circulavam nos corredores políticos, como o relacionamento do Titular do Poder Executivo com a Assembleia Nacional, consagração do direito de voto aos cidadãos angolanos residentes no exterior, afirmação constitucional do Banco Nacional de Angola como Entidade Administrativa Independente do Poder Executivo e eliminação do princípio do gradualismo como um princípio constitucional condutor do processo de institucionalização efectiva das autarquias locais.

Entretanto, já se adivinha uma batalha renhida, a começar por aquilo que alguns círculos da oposição pretendem. Longe do que avançou o Presidente da República, considerando ser uma revisão pontual, a UNITA quer muito mais. Caso contrário, alvitra a hipótese de se estar perante um suposto golpe constitucional, sem garantir como e em que moldes.