Sarkozy admite recorrer de condenação para Tribunal Europeu dos Direitos Humanos

Sarkozy admite recorrer de condenação para Tribunal Europeu dos Direitos Humanos

Ex- Presidente francês critica a “profunda e chocante injustiça do processo iniciado” contra si na Justiça, mantendo “a determinação para que triunfe o Direito e a Justiça”.

O ex- Presidente francês Nicolas Sarkozy admite recorrer ao Tribunal Europeu dos Direitos Humanos contra a sua condenação a três anos de detenção, um em prisão efectiva, por corrupção e tráfico de influência.

Numa entrevista ao jornal Le Figaro, publicada Terça-feira, Sarkozy critica a “profunda e chocante injustiça do processo iniciado” contra si na Justiça francesa há dez anos, mantendo “a determinação para que triunfe o Direito e a Justiça, como deve ser num Estado de Direito”.

Não posso aceitar de facto ter sido condenado pelo que não fiz”, afirma Sarkozy, denunciando uma sentença “cheia de incoerências” e que “não menciona provas, mas sim um emaranhado de pistas”.

O ex-presidente francês, retirado da política desde 2016, promete “um combate duradouro” contra a sentença, de que já recorreu, e que “talvez tenha que terminar no Tribunal Europeu dos Direitos Humanos”.

“Seria doloroso para mim ver meu próprio país condenado, mas estou preparado porque esse seria o preço da democracia”, acrescenta.

O político de 66 anos e Presidente de 2007 a 2012 foi condenado por ter tentado ilegalmente obter informações de um magistrado em 2014 sobre uma acção judicial em que estava envolvido. O tribunal disse que os factos são “particularmente graves“, por serem cometidos por um ex- Presidente que usou o seu estatuto para fins pessoais.

Além disso, como ex-advogado, Sarkozy estava “perfeitamente informado” sobre a prática deste tipo de acção ilegal, disse o tribunal. Os outros dois réus no caso – o seu advogado e amigo de longa data Thierry Herzog, 65 anos, e o agora reformado magistrado Gilbert Azibert, 74 anos – também foram considerados culpados e receberam a mesma sentença de Sarkozy.

Sarkozy, que esteve presente na audiência, não foi detido e enviado para uma cela, após o tribunal ter autorizado que permaneça em casa com pulseira eletrónica. Pela primeira vez, um chefe de Estado francês é condenado a pena de prisão efetiva, mesmo que não ingresse de imediato num estabelecimento prisional.

O político francês negou veementemente todas as acusações durante o julgamento de 10 dias, ocorrido no final do ano passado. O julgamento concentrou-se em conversas telefónicas ocorridas em fevereiro de 2014.

Na época, foi aberta uma investigação sobre o financiamento da campanha presidencial de 2007 de Sarkozy.

Durante a investigação, foi descoberto acidentalmente que Sarkozy e Herzog estavam a comunicar-se por meio de telemóveis secretos registados sob um nome falso (Paul Bismuth).

Os procuradores solicitaram dois anos de prisão efectiva e um ano de pena suspensa para os três réus, pelo que definiram como um “pacto de corrupção”.

Sarkozy enfrentará outro julgamento no final deste mês, juntamente com outras 13 pessoas sob a acusação de financiamento ilegal da sua campanha presidencial de 2012.