Sonangol retoma exploração no Iraque

Sonangol retoma exploração no Iraque

A Sociedade Nacional de Combustíveis de Angola (Sonangol) retomou, em Fevereiro deste ano, no Iraque, as operações de produção de 35 mil barris de petróleo por dia, depois de paralisadas em 2020, devido à pandemia da Covid-19

A retomada da exploração no campo de Qiayrah, no Norte do Iraque, foi confirmada, nesta Sexta-feira, pelo presidente da Comissão Executiva da Unidade de Produção e Exploração da Sonangol, Ricardo Vandeste, em conferência de imprensa, em alusão aos seus 45 anos de existência.

No referido campo, a produção inicial, em 2019, era de 10 mil barris/ dia e, até ao momento, já atingiu os 35 mil barris/dia, não obstante esse período de paralisação. Enquanto isso, o outro bloco “onshore” (terra), em Najmah, também no Iraque, aguarda pelo arranque das operações.

Neste país, a Sonangol celebrou com o Governo iraniano (em 2009) dois contratos com risco, em que o operador é remunerado de acordo com a produção. “Se a produção pára, automaticamente, essa remuneração também pára”, esclareceu o interlocutor citado pela Angop.

Além do Iraque, a Sonangol tem operações em países como Cuba, onde efectua trabalhos de exploração, Brasil, Venezuela e São Tome e Príncipe.

Na Venezuela, por causa da situação geopolítica do país, a petrolífera angolana continua activa na manutenção dos poços e dos campos, mas está sem capacidade de armazenamento, em função do embargo de exploração imposto àquele país da americana latina.

No Brasil, a produção e exportação de refinados da Sonangol situam- se na ordem dos 1.348.901 barris, em 2020, contra os 1.337.346 registados em 2019, tendo-se observado uma variação na ordem de 1%, correspondentes a um aumento de 7.555 barris no ano passado. Na conferência de imprensa da Sonangol, foram apresentados, pelo presidente da petrolífera, Sebastião Gaspar Martins, os resultados provisórios de carácteres operacional, comercial e financeiro da empresa e suas unidades de negócios referentes ao ano de 2020.