Igrejas apelam políticos a evitarem discursos que incitam à violência

O secretário-geral da Aliança Evangélica, António Mussaqui, apelou, ontem, aos líderes políticos a pautarem por discursos responsáveis que visam a unidade nacional, pondo de lado as palavras que incitam o ódio e a violência.

Segundo o líder religioso, nos últimos tempos, cresce a onda de discursos que incitam a violência e o ódio no seio da classe política, situação que, no seu entender, atenta contra a paz e harmonia entre os angolanos.

António Mussaqui, que é igualmente membro da comissão organizadora do culto ecuménico que visa celebrar os 19 anos de paz em Angola, considerou a paz entre os angolanos como sendo o maior feito que o país registou em toda a sua história pelo que, defende a necessidade da sua preservação.

Segundo ainda Mussaqui, o único caminho para a efectiva reconciliação é o diálogo entre os diferentes lideres políticos que, antes da cor partidária, devem ter Angola acima de qualquer interesse.

Neste sentido, frisou, é importante que, no seu contacto com os cidadãos, os políticos conduzam os seus seguidores para o caminho da fraternidade, coesão e estabilidade.

Para o líder religioso, é possível fazer política sem enveredar para os caminhos que incitam as populações a causarem distúrbios e odiarem-se umas às outras.

“É preciso encontrar as respostas no diálogo para que os ouvintes dos políticos tenham condições de receber as suas mensagens da melhor forma possível sem que incite as populações a comportamentos que em nada contribuem para a construção do nosso processo de paz e da democracia”, apontou.