“As crises em tempos de crise” marca abertura do novo projecto da Fundação Arte e Cultura

“As crises em tempos de crise” marca abertura do novo projecto da Fundação Arte e Cultura

A iniciativa da Fundação Arte e Cultura visa a apresentação de uma peça teatral nos primeiros Sábados de cada mês. Assim, a performance “As crises em tempos de crise”, do grupo Jovens da Mulemba, marca a estreia do projecto

A peça “As crises em tempos de crise”, do grupo teatral Jovens da Mulemba, marca a estreia nesta semana, do projecto de exibição uma vez ao mês da Fundação Arte e Cultura, na sala Wyza, em Luanda, a partir 18 horas.

O porta-voz da Fundação Arte e Cultura, Camilo Lemos, explicou que a programação da instituição inseriu no seu calendário, a par de outras actividades, a exibição uma vez ao mês (primeiros Sábados), de peças teatrais.

Entretanto, a peça de estreia aborda de forma crítica, porém sarcástica, as crises quer do ponto de vista económico, religioso, cultural e social com a tónica sobre perda de valores, o respeito ao próximo, a sã convivência entre vizinhos, dentro do prisma segundo o qual, “vizinho é família”.

“Tentamos ainda com essa obra resgatar o peso sociológico das famílias e gerar a convivência aceitável entre os vizinhos como era antigamente. Tentamos dar algumas directrizes para combater o afastamento social entre as pessoas da mesma comunidade e não só”, avança o responsável do grupo.

O enredo foca principal preocupação sobre o olhar a verticalidade ética do indivíduo face a tantas crises que podem corromper pela negativa a retidão do cidadão. Ou seja, não obstante a existência das crises de vária ordem, ainda surge a crise financeira. Daí surgirem os questionamentos: Como podemos continuar éticos face a tudo isso? Será que a necessidade fala mais alto que a moral?

Protagonistas

Essas e outras questões serão levantadas e respondidas ao longo do espectáculo que será protagonizado pelo elenco composto por António Kapangu (Zacarias Xavier), Juliana dos Santos (Amélia), Hilário Benjamim (Sérgio), Paciência Rufino (Caetano Araújo), Rossana Fortuna (Madalena Araújo), Mateus dos Santos (Cirilo), Guilherme Ngola (Sangue Suga), Filomena Anita (Ruth) e Benvindo Ferraz (Sr. Persigo).

O grupo

O grupo teatral Jovens da Mulemba foi fundado a 10 de Setembro do ano 2011. Inicialmente preenchendo as actividades “Poesia na Mulemba”, uma produção da Universidade Hip-hop e o colectivo Lev’arte. Passado esse período, foram divulgando os seus trabalhos, com performances em escolas, hospitais, igrejas, ONG’s, assim como apresentações para algumas empresas. No final do ano 2017 até ao segundo semestre 2018, o colectivo foi tirando de forma consistente actividades todos os Domingos na comunidade, precisamente no ginásio do Colégio Fabril.

Recentemente, o grupo abriu o ano cultural da LAASP, ex-Liga Africana, com a exibição da peça “Meu telefone”, que retrata sobre o uso e partilha de bens materiais como o telemóvel, um aparelho que tem sido mote para vários conflitos nos relacionamentos matrimoniais estabelecidos na sociedade.