Obras de requalificação da Baía do Namibe podem arrancar a qualquer momento

Obras de requalificação da Baía do Namibe podem arrancar a qualquer momento

As obras de requalificação da Baía do Namibe, na província com o mesmo nome, podem arrancar a qualquer momento, com vista a alavancar a economia local e do país, com os serviços que a mesma poderá proporcionar, segundo a vice-governadora para o sector técnico e infra-estruturas, Ema Guimarães

A vice-governadora para o sector técnico e infra-estruturas do Namibe disse que, até ao momento, já foram ultrapassados e tratados todos os aspectos burocráticos inerentes à execução física da empreitada.

Ema Guimarães, que não revelou o nome da empresa que vai executar a referida obra nem o período de execução, pelo facto de a mesma de ser da responsabilidade do Governo Central, disse que toda a informação que o Governo Provincial possui aponta para breve o arranque das obras.

Segundo disse, a sua conclusão permitirá a dinamização da economia local e do país de modo geral, através da indústria, do turismo – que constitui o forte da província mais a Sul do país, que por razões de vária ordem ainda é pouco explorado. “É um projecto de âmbito central, por isso sabemos pouco sobre o mesmo, porém, temos conhecimento que as obras poderão arrancar a qualquer momento, uma vez que todos os aspectos burocráticos já foram ultrapassados”, sublinhou.

Para a execução da empreitada, que contempla ainda uma intervenção da estrutura do Porto do Namibe, concretamente, a reabilitação de 288 metros de cais, já foi feito o primeiro pagamento, conforme o Decreto Presidencial N° 163/19 de 27 de Setembro, avaliado em USD 100 milhões.

Operadores turísticos expectantes

A Covid-19 que assola o mundo e o país obrigou aos governos a imposição de medidas pouco comuns na convivência social, medidas estas que afectaram negativamente alguns sectores económicos.

Na província do Namibe, o sector hoteleiro é dos mais afectados, segundo o director do Gabinete da Hotelaria, Turismo, Ambiente e Cultura, Pedro Hungula, por causa das restrições, cuja taxa de ocupação dos hotéis baixou para 30 por cento.

Para Pedro Hungula, espera-se que com a requalificação da Baía do Namibe se consiga driblar os efeitos da crise económica.

“Requalificação da Baía do Namibe, vai trazer muitos e diversos ganhos, não só pela estética que ela vai apresentar, mas como também pelos serviços auxiliares que a mesma vai trazer para a recepção dos nossos visitantes”

Por seu turno, o responsável administrativo de uma unidade hoteleira na cidade de Moçâmedes, Daniel Vilinga, disse ser necessário que as obras a serem executadas para a recuperação da Baía do Namibe não venham interferir na actividade diária dos estabelecimentos que se encontram ao longo da marginal.

Ainda assim, acredita que depois de concluídas, o número de turistas que periodicamente escalam a província poderá aumentar.

João Katombela, no Namibe