Governo promete acabar com burocracia para melhorar ambiente de negócios

Governo promete acabar com burocracia para melhorar ambiente de negócios

Ministério da Economia e Planeamento promete, entre outras realizações, reestruturar as empresas, um processo que já conta com o registo de 730 produtores, um número considerado ainda “insuficiente para a província de Luanda”, mas que poderá ser ampliado com uma campanha a ser lançada nos próximos dias

O ministro da Economia e Planeamento, Sérgio Santos, manteve um encontro com vários empresários de Luanda, após uma jornada de campo pela província, para identificar constrangimentos à actividade empresarial e encontrar soluções para a melhoria do ambiente de negócios.

Esteve no centro da visita do ministro, da qual fez parte a governadora Joana Lina, o ponto de situação sobre a implementação do Programa de Apoio à Produção, Diversificação das Exportações e Substituição das Importações (PRODESI) e os apoios que estão disponíveis para os produtores nacionais e operadores de comércio e distribuição de todos os municípios da capital.

Durante a sua intervenção, além de recordar que é a primeira vez que o seu pelouro reúne, especificamente, com os empresários de Luanda, Sérgio Santos reconheceu na classe uma forte capacidade de resistência ao contexto causado pela pandemia da Covid-19.

E enumerou algumas das dificuldades mais prementes, entre as quais a “falta de energia e água, financiamento, burocracias imensas, dificuldade de acesso ao mercado e dívidas por pagar”, entre outras.

Reafirmou, por isso, o compromisso do seu ministério em acompanhar e apoiar a actividade económica, para que esta venha, ao longo dos tempos, melhorar o seu ambiente. “Nós não vamos vos deixar sozinhos. Temos um mandato para coordenar o aumento da produção nacional e substituição das exportações, o PRODESI”, assegurou.

No contacto com empresários da metrópole, o ministro apresentou cinco serviços destinados a contribuir na materialização dos objectivos apresentados, tendo o primeiro como vocação a reestruturação das empresas, que já conta com o registo de 730 produtores, um número considerado ainda “insuficiente para a província de Luanda”, mas que poderá ser ampliado com uma campanha a ser lançada nos próximos dias.

Prometeu também auxiliar o escoamento e distribuição das mercadorias, reunir os vários elementos da cadeia de valor para abordar sobre negócios e adensar a sua relação. Por outro lado, o Governo promete dar maior visibilidade às empresas, ajudando-as a publicitar, sem quaisquer custos, os seus produtos, resultado de uma parceria com a televisão estatal.

Dumilde