Governo reitera aposta na capacitação da mãode- obra nacional com foco no auto-emprego

A ministra da Administração Publica Trabalho e Segurança Social, Teresa Dias, que procedeu recentemente ao lançamento do Plano de Acção para Promoção da Empregabilidade (PAPE), em Benguela, reafirmou que o plano consta de uma das medida inseridas nas políticas activas do mercado de trabalho, visando a inserção imediata dos jovens em actividades susceptíveis de geração de renda e emprego digno, recomendados pela Organização Internacional de Trabalho (OIT) ajustado a realidade angolana.

De acordo com a governante, a aposta na capacitação da mão-de- obra nacional em cursos de curta e longa duração, a avaliação e certificação de competências para a atribuição de carteiras profissionais, assim como a formalização e inscrição dos beneficiários no Sistema de Protecção Obrigatória, são as principais premissas deste plano, obedecendo os critérios rigorosos de selecção.

“Com a implementação destas medidas, estamos confiantes que poderemos constituir-se numa solução prática e realista que visa restituir a esperança aos cidadãos através da inserção imediata dos jovens no mercado de trabalho, cumprindo deste modo com uma das orientações de Sua Excelência, João Lourenço, Presidente da República e Titular do Poder Executivo, que visa promover a inserção dos jovens no mercado de trabalho, através de programas e instrumentos de apoio ao primeiro emprego”, frisou.

Já o secretário de Estado da Juventude, Fernando João, também presente no evento, reconheceu o impacto do programa nas comunidades, sobretudo as mais carenciadas, tendo alertado aos jovens para necessidade de valorizarem a iniciativa e trabalharem no sentido de tornar o projecto rentável e multiplicador de rendimentos.

Conforme explicou, os jovens beneficiários do PAPE devem servir de alavanca para estimular outros jovens a seguirem o mesmo trajecto, tendo em atenção que o Estado, por si só, não é capaz de dar emprego a todos.

“Com iniciativas do género os jovens beneficiários devem ter a capacidade de superação e resiliência no sentido de verem as suas actividades produzirem os feitos necessários de formas estimular outras iniciativas”, frisou.

Para alem de Benguela, o lançamento formal do PAPE já ocorreu em 12 províncias, nomeadamente Cuando Cubango, Luanda,Uíge, Moxico, Huíla, Namibe, Bié, Huambo, Malanje, Cuanza Norte,Lunda Sul e Lunda e ja permitiu a criação de 6. 725 postos de empregos.

Do conjunto de actividades que o Plano gerou e apoiou consta a carpintaria, serralharia, culinária e decoração, pedreira, restauração e outras áreas essenciais do segmentação da prestação de serviço.

Adelino Sebastião, 28 anos, foi um dos beneficiários das acções do PAPE. Carpinteiro, o jovem, portador de deficiência física, disse ter apostado no autoemprego para colmatar as dificuldades que enfrenta, tendo em atenção os níveis de desemprego que a província enfrenta.

Rentabilizar o negócio para gerar renda e outros postos de trabalho é, conforme explicou, o seu próximo desafio.

Por seu lado, Milena Rodrigues, serralheira, beneficiou de um conjunto de kit de trabalho que vai possibilitar alargar a sua carteira de negócios.

Conforme explicou, as oportunidades de emprego na província são bastante reduzidas, pelo que julga entender que a aposta no empreendedorismo assume-se como das poucas alternativas para contribuir para a economia local e a melhoria da sua condição de vida.