Arroz do Uíge exportado para Benguela por falta de equipamento para o descasque

Arroz do Uíge exportado para Benguela por falta de equipamento para o descasque

Mil e 300 toneladas de arroz, que desde a campanha agrícola 2016/2017 encontravam-se armazenadas em silos na localidade de Lusselua, município do Sanza Pombo (Uíge), começaram, Sexta-feira, a ser transportadas para a província de Benguela, onde serão descascadas para a sua posterior comercialização.

Em declarações à imprensa na localidade, o Secretário de Estado para Agricultura e Pecuária, João Manuel da Cunha, referiu que o produto encontrava-se armazenado, desde esta altura (2016/2017), devido a uma avaria na máquina de descasque da empresa Gesterra. Por este motivo, foram procuradas alternativas na província de Benguela, onde o mesmo será descascado para a posterior venda à população. Referiu que para o transporte do arroz à província de Benguela estão à disposição 16 camiões, mobilizados pelo ministério da Agricultura e Pescas.

Fundada em 2012 pela empresa Gesterra, os seus trabalhos nesta fazenda apenas tiveram início em 2016 e nela estão montados quatros silos, sendo dois de 1.300 toneladas, um de 800 e outro de 150 toneladas. Com uma extensão de nove mil hectares de terrenos agricultáveis, em 2016 ela cultivou 500 hectares de arroz, tendo também desenvolvido a actividade de criação de boi. Um ano mais tarde (2017), os 150 trabalhadores ficaram desempregos, devido à crise que paralisou a empresa até ao momento.