Carta do leitor: O bairro Camama e o perigo Covid-19

Carta do leitor: O bairro Camama e o perigo Covid-19

Prezado Coordenador, agradeço a oportunidade que me é concedida. Sou residente do bairro Camama, propriamente por detrás da Administração do Distrito da Cidade Universitária. Temos vindo a enfrentar um autêntico atropelo às proibições do estado de calamidade, prorrogados pelo titular do poder executivo. Nesta zona, bem 12 de Abril 1633 – Começa o processo da Inquisição contra Galileu Galilei. 12 de Abril 1861 – Começa a Guerra Civil Americana, com o ataque dos Confederados a Fort Sumter . 12 de Abril 1961 – O cosmonauta soviético Yuri Gagarin torna-se o primeiro homem a viajar pelo espaço, a bordo da nave Vostok 3KA-2 . ao lado da Administração, tem várias cantinas, bares e para não falar da prostituição que tem tomado conta das noites por esta urbe. Há um bar que não nos deixa pegar sono pela poluição sonora.

Não acredito que os responsáveis desta instituição estatal não tenham o domínio desta vergonha, e nem as autoridades ligadas a defesa e segurança. Porque vejamos, se foram estipuladas multas para infractores, que vai até os 300.000,00 Akz, penso que já deveriam ir mandar parar com o roído criado no bar e estancar a prostituição e o aumento da criminalidade. Ainda estamos a viver momentos preocupantes no que diz respeito a esta guerra contra o inimigo invisível que se chama COVID-19, embora já ter iniciado a campanha de vacinação em massa a população vulnerável e muitos profissionais.

Infelizmente a coisa está a ficar feia e muitos compatriotas, ainda estão a ignorar o perigo deste vírus. É visível e já não se esconde a forma irresponsável de muitos moradores, seja de noite ou de dia, vê-se muitos moradores juntos e bem à vontade como se nada estivesse a acontecer, ignorando mesmo as regras de distanciamento. As casas de bebida estão sempre cheias e mais uma vez, não acatam com as medidas e estão a mercê do perigo de contágio nestes locais. Até porque as casas que comercializam bebidas alcoólicas, que facilitam este mal; as lanchonetes e casas da tia A ou B, não tomam medidas preventivas.

As informações rolam de segundo a segundo em todos meios possíveis de comunicação, alertando o perigo de ajuntamentos e vários perigos de contágio, infelizmente todos são ignorados. É caso para dizer que só mesmo Deus na causa! A vida por esta zona era feita com normalidade, agora virou casa da mãe Joana. É tanta tristeza que prefiro acreditar em dias melhores.

Por: Emanuel Osório