É de hoje…Sinais dos tempos

É de hoje…Sinais dos tempos

A criação de 500 mil postos de trabalho foi uma das promessas mais marcantes durante a campanha eleitoral de 2017 vencidas pelo MPLA e que certificou João Manuel Gonçalves Lourenço como Presidente da República de Angola.

Passados três anos, permanecem os receios quanto ao seu cumprimento, um pouco também por conta da pandemia que desacelerou, de certa forma, a economia do país, encerrando empresas e, consequentemente, aumentando o nível de desemprego em quase todo o território.

Felizmente, embora os níveis de empregabilidade não sejam os mais satisfatórios, há sinais que vão mostrando alguma retoma que se poderá transformar em maiores ofertas de emprego, contrariamente à tendência negativa e de um país sem rumo que muitos vão desenhando.

Quase que religiosamente todos os dias, por exemplo, na rede social facebook, no âmbito de um trabalho cívico que vai realizando, o jovem Ikuma Bamba publicita as ofertas de emprego que surgem nas páginas do Jornal de Angola no sentido de ajudar os que não têm acesso à publicação a se poderem candidatar.

Aos poucos, contrariamente à tendência negativa que vem sendo alimentada, há um sector que vai criando muitas oportunidades e poderá criar milhares de postos de trabalho: o mineiro.

Há dias pude assistir informações sobre a exploração de manganês na província de Malanje, depois de, recentemente, outros projectos terem sido apresentados, como os da exploração de ouro em Cabinda e ferro no Cuando-Cubango. Isso sem mencionarmos as explorações de cobre no Uíge que ao que tudo indica desta vez irá mesmo sair do papel.

Desenha-se para os próximos tempos maiores chances para aqueles que terão investido mais nos cursos técnicos e no interior do país, isto é, longe dos grandes aglomerados habitacionais. Infelizmente, ao longo dos anos teremos investido maioritariamente nas áreas teóricas, com a proliferação de institutos médios, superiores e até universidades em tudo quanto é canto, gerando igualmente um mar de formandos que se encontram desempregados hoje.

Ao longo dos anos, muitos especialistas foram alertando para os cenários que se começam a desenhar. Nunca os técnicos foram tão necessários como agora.