Armin Laschet escolhido pela CDU para tentar suceder a Merkel

Armin Laschet escolhido pela CDU para tentar suceder a Merkel

A direcção do partido conservador alemão União Democrata-Cristã (CDU) decidiu, ontem, Segunda-feira, apoiar o seu impopular presidente, Armin Laschet, como candidato às eleições legislativas de 26 de Setembro, segundo o Jornal de Notícias

O ‘presidium’ da CDU, reunido ontem à porta fechada, escolheu apoiar a candidatura do seu presidente face à do popular dirigente bávaro Markus Soder, que lidera o partido irmão a União Social-Cristã (CSU), indicaram vários participantes na reunião à agência France-Presse. Laschet, 60 anos, e Soder, 54, – que lideram os governos regionais dos dois Estados mais populosos da Alemanha: Renânia Norte-Vestfália e Baviera, respectivamente – declararam oficialmente no Domingo estarem preparados para concorrer.

O objectivo da coligação conservadora é acelerar o processo de escolha política, considerando que o fim do mandato da chanceler Angela Merkel, após 16 anos no poder, está a criar instabilidade e que uma longa incerteza sobre o futuro do partido pode prejudicar as aspirações a uma vitória nas eleições legislativas.

“O ‘presidium’ emitiu uma opinião clara, após consultas” para que Armin Laschet seja o candidato dos dois partidos para a campanha das próximas legislativas, indicou à AFP um participante na reunião. “Consideramo-lo excecionalmente apto e pedimos-lhe que discutisse agora com Markus Soder como proceder”, confirmou o líder da CDU do ‘Land’ De Hesse, Volker Bouffier.

A decisão ainda não é definitiva, mas com este apoio Laschet tem agora muito boas hipóteses de defender as cores conservadoras nas eleições e suceder assim a Angela Merkel. A CDU, que tem vindo a cair nas sondagens, continua a ser o partido com mais intenções de voto, cerca de 28%, seguida dos Verdes com 22%.

Soder declarou-se no Domingo pronto a tentar ser o primeiro bávaro eleito chanceler, na condição da CDU o apoiar. Mas apesar da popularidade impressionante em toda a Alemanha, terá agora dificuldades. O ‘presidium’ da CDU é, de facto, o órgão crucial para a nomeação do candidato e geralmente são os democratas cristãos que escolhem. A CSU, formação regional, apenas representou por duas vezes todo o campo conservador nas eleições, com derrotas em 1980 e 2002.