CNJ busca consenso para o dia dos jovens

CNJ busca consenso para o dia dos jovens

Para a organização da sociedade civil, por via do seu presidente, Isaías Kalunga, que falava ontem, em Luanda, no acto central do dia da Juventude, somente mediante a aposta numa base de consenso é que se poderão eliminar todas as inquietações relativamente a implementação de uma data que venha congregar todos os jovens angolanos para uma só causa

O presidente do Conselho Nacional da Juventude, Isaías Kalunga, anunciou, ontem, que a sua organização está a trabalhar para o estabelecimento de uma base de consenso que visa a implementação de uma data de consenso para o Dia Nacional da Juventude.

Segundo Isaías Kalunga, a sua organização está a trabalhar com as diferentes organizações juvenis partidárias do país para que se encontre uma data de consenso que venha a ser celebrada como o Dia da Juventude.

Isaías Kalunga, que falava ontem, em Luanda, no acto central do Dia da Juventude, disse que só mediante a aposta numa base de consenso é que se poderão eliminar todas as inquietações relativamente à implementação de uma data que venha congregar todos os jovens angolanos para uma só causa.

Conforme explicou, as diferentes organizações juvenis políticas devem sempre ter em conta a necessidade de busca pelo diálogo na discussão de assuntos que dizem respeito à juventude angolana para que, junto, se encontre uma base de consenso que venha servir de “ponte” para a resolução dos problemas que afectam esta franja da sociedade. De acordo ainda com Isaías Kalunga, o CNJ continua a realizar encontros permanentes com todas as organizações de jovens de partidos políticos com e sem representação parlamentar para uni-los em torno de um único objectivo que é a resolução dos problemas que afectam este segmento populacional.

Sobre o 14 de Abril, consagrado nacionalmente como Dia da Juventude, o líder do CNJ disse ser normal que haja concordância de uns e discordância de outros por ser um princípio democrático. Contudo, apelou ao bom senso dos principais actores políticos e a necessidade de não se aproveitar a data para fins políticos que venham a pôr em causa as conquistas já alcançadas no processo de realização e bem-estar dos jovens angolanos.