PR defende dedicação ao trabalho como via de desenvolvimento do país

PR defende dedicação ao trabalho como via de desenvolvimento do país

O Presidente da república, João Lourenço, apelou, ontem, aos novos membros do Governo a contribuírem com o seu saber e esforço para o desenvolvimento do país

João Lourenço, que falava na cerimónia de tomada de posse dos membros do Governo, recentemente nomeados, disse que é com trabalho e esforço que se pode contribuir para o desenvolvimento do país.

Por seu lado, em declarações à imprensa, no final da cerimónia, o inspector-geral adjunto da Inspecção Geral da Administração do Estado (IGAE), Nelson da Costa, comprometeu-se em trabalhar, visando o desenvolvimento do país.

Já o vice-governador do Cuanza-Sul para o sector Técnico e Infra-estruturas, Domingos Bambi, disse que a aposta na continuidade e nos projectos em curso, fundamentalmente na extensão da rede de energia eléctrica a todos os municípios e comunas da província.

Para Adélia Muambeno Samuel, vice-governadora da província do Cuando Cubango para o sector Político, Económico e Social, a aposta está voltada para os sectores da educação, saúde e agricultura.

No Palácio Presidencial, tomaram posse o novo inspector- geral adjunto da IGAE, vice- governadora da província do Cuando Cubango para o sector Político, Económico e Social, bem como o vice-governador do Cuanza-Sul para o sector Técnico e Infra-estruturas.

João Lourenço por dentro do “Andar o Pais”

Ainda durante o dia de ontem, o Presidente da República, João Lourenço, recebeu os jornalistas, de diferentes órgãos de comunicação social nacionais, envolvidos no projecto de grande reportagem “Andar o País pelos Caminhos da Agricultura”.

Trata-se de uma iniciativa da Rádio Luanda Antena Comercial (LAC) que pôs os jornalistas em contacto com unidades de produção agrícolas, pólos de desenvolvimento, fazendas e propriedades familiares de algumas províncias do país.

Em aproximadamente 30 dias, os profissionais de informação, saídos de Luanda, visitaram as províncias do Uíge, Malanje, Cuanza-Norte, Cuanza-Sul, Bié, Huambo, Huíla e Benguela, tendo percorrido cerca de 5 mil quilómetros.